Diogo do BB confessa que teve vários ataques de pânico na casa: «Há uma altura em que o corpo cede»

Diogo recordou os bons e os maus momentos vividos no Big Brother 2020.

Diogo do BB confessa que teve vários ataques de pânico na casa: «Há uma altura em que o corpo cede»

Diogo do BB confessa que teve vários ataques de pânico na casa: «Há uma altura em que o corpo cede»

Diogo recordou os bons e os maus momentos vividos no Big Brother 2020.

Diogo era um dos preferidos à vitória, nesta edição do Big Brother, mas acabou por ficar em segundo lugar. O concorrente não sente que ‘morreu na praia’ e garante que está muito feliz por ter chegado tão longe no reality show. Em entrevista, um dia depois de sair da casa, falou sobre saúde mental e contou como viveu esta experiência e de como ela mudou a sua vida.

«Foi muito melhor do que eu tinha imaginado. A casa era incrível, eu estava à espera de um caixote», começa por dizer, soltando uma gargalhada. «Vou ter saudades da casa, claro, da piscina, mas sobretudo vou ter saudades de ser um privilegiado, de estar num sítio em segurança, enquanto o mundo inteiro está no lodo», acrescenta.

Entrar no Big Brother era um sonho antigo, mas, antes de o programa começar, Diogo receava não conseguir aguentar a pressão. «Estava com muito medo de entrar sem a disponibilidade necessária para entrar no Big Brother. Estava com medo que a pressão e a intensidade de um reality show limitassem as minhas ações, que eu não pudesse ser livre», explicou, sublinhando a importância da produção neste processo.

«O Big Brother nunca me obrigou a fazer nada, sempre me direcionou. Não havia nenhum guião. Às tantas, aquilo é um laboratório onde podes improvisar, onde te podes divertir. Eu não queria chegar lá e fazer as coisas só por fazer. Eu não faço nada só por fazer, não me sinto feliz a fazer as coisas só por fazer.»

«Foi a primeira vez que consegui chorar à frente de alguém»
«Acho que me superei», afirmou, revelando também que, antes de entrar, falou com o seu psicólogo e que resolveu entrar na aventura, mesmo com todas as dificuldades que implica a participação num reality show. «Foi difícil, claro. Imagina que te fazem a privação do sono… Depois de uma gala super intensa, onde conheces pessoas, dormes meia hora, acordas, passo a ser líder, tenho de tomar uma série de decisões, estou esgotadíssimo… A seguir temos uma prova de 72 horas a agarrar um elástico», diz, referindo-se à prova que o Big Brother deu aos concorrentes, na primeira semana. «Aquilo não serve para nada! Mas tudo o que nós somos vem ao de cima, e é esse o objetivo».

Dentro da casa, Diogo teve vários ataques de pânico e, nesses momentos, isolava-se dos restantes colegas. «Há uma altura em que o corpo cede e vem o ataque de pânico. A terapia ensinou-me a aceitar. Em vez de colocar uma rolha e não deixar as lágrimas e as emoções virem ao de cima, passa a ser bom», disse, recordando um dos momentos mais intensos que viveu dentro da casa: «Adorei chorar, porque foi a primeira vez na vida que consegui chorar à frente de alguém. É estranho. Eu estava ali sentado no sofá, a chorar baba e ranho, a ter um ataque de pânico e estava a pensar que aquilo era bom. É libertador.»

«Quando choramos, queremos parar o choro imediatamente. É vergonha, é medo de nos sentirmos frágeis à frente dos outros. Faz parte da natureza guardar o choro. Naquele momento, aproveitei para me expurgar. Pensei ‘olha, bora’. Lembro-me que, em vez de por as mãos na cara, pus em cima das pernas. E estava a aceitar o que me estava a acontecer», relatou ainda, acrescentando que, para conseguir superar este desafio, recorreu ao psicólogo várias vezes: «Tinha consultas a horas e dias certos. Isso é fundamental para mim. Não podia ter quando eles lhes apetecesse, tinha de ter um horário, porque eu sou assim na minha vida. Tenho as coisas organizadas, quando estou em terapia, em processos de SOS ou em momentos mais frágeis da vida.»

A razão por que escolheu o Banco Alimentar

Para Diogo, o melhor momento dentro da casa foi a semana em que todos se uniram para ajudar o Banco Alimentar. «Foi das mais incríveis! Nós tínhamos tudo e tínhamos de continuar com as tarefas semanais, então quisemos oferecer a outras pessoas», afirmou, explicando a razão da sua escolha:

«Fez-me sentido o Banco Alimentar, porque, quando entrámos lá para dentro, senti que os negócios familiares, como restaurantes, cafés, cabeleireiros, estavam todos fechados e que muita gente podia ir para o desemprego. E, se não tens emprego, não tens dinheiro para comprar comida. E, se não tens como comprar comida, não sobrevives. Nós éramos mesmo uns privilegiados…. Tínhamos sempre o que comer, nunca nos faltava nada».

Ana Catharina e os momentos antes da trágica notícia

Quando entrou nesta experiência, Diogo não pensava apaixonar-se, mas termina os três meses de programa com uma pessoa muito especial ao seu lado. «A Ana Catharina foi um presente maravilhoso», diz.

A fase final do programa ficou marcada pela morte do pai de Ana Catharina, vítima de um acidente no Brasil, e todos os concorrentes ficaram em choque com a notícia. Diogo conta como percebeu que algo não estava bem, mesmo antes de saber do sucedido: «Estranhei quando ela não participou do concerto da Blaya durante duas horas. Das duas, uma: ou ela estava com a psicóloga ou estava a acontecer alguma coisa muito grave. Naquela altura, não consegui identificar nada que a fizesse estar mal para estar tanto tempo a falar com o Big Brother, por isso, tinha de ser uma informação do exterior. E, para ser uma identificação do exterior com a Ana Catharina, tinha de ser algo grave.»

Sobre a relação entre os dois, Diogo prefere não falar, nem fazer futurologia. Mas sobre a sua vida profissional, já tem planos bem delineados: «Quero ser ator.»

 

Texto: Patrícia Correia Branco; Fotos: Marco Fonseca

 

Impala Instagram


RELACIONADOS