Confissão Carolina Loureiro revela relação distante com o pai

A protagonista da novela Nazaré, que estreia a 9 de setembro na SIC, assume drama familiar vivido na infância: «O tempo não cura».

Confissão Carolina Loureiro revela relação distante com o pai

A protagonista da novela Nazaré, que estreia a 9 de setembro na SIC, assume drama familiar vivido na infância: «O tempo não cura».

Nervosa e com a voz trémula. Foi assim que Carolina Loureiro, de 27 anos, falou sobre o pai em entrevista a Daniel Oliveira, emitida no programa Alta Definição, da SIC, deste sábado, 7 de setembro.

A infância da protagonista de Nazaré, novela que se estreia esta segunda-feira na antena da estação de Paço de Arcos, deu o mote à conversa. A atriz era uma pequena Tarzan, disse a própria, uma verdadeira aventureira que dava «bastantes dores de cabeça» à mãe. Era esta que estava sempre presente, já que o pai, que vive atualmente em Cabo Verde, «viajava muito». «A minha mãe é que sofria mais comigo», afirma.

«Ela diz-me sempre que tem muito orgulho em mim e que me ama e o meu pai nunca me disse isso», começa por afirmar Carolina. «Sempre estive habituada a que ele não estivesse presente e, por mais incrível que pareça, é a primeira pessoa a quem eu gosto de contar as minhas conquistas. Adoro contar à minha mãe, como é óbvio, mas sinto uma grande necessidade de contar ao meu pai: ‘consegui isto’», explica.

«Nunca houve um ‘gosto muito de ti’»

A atriz revela que o progenitor nunca lhe disse ‘gosto muito de ti’. Acredita que é por isso que sente «tanta necessidade» de lhe contar o que a vida lhe tem proporcionado desde que se estreou em TV na série Morangos com Açúcar, em 2011: «É para algum dia ter essas palavras. Eu e o meu pai temos uma relação muito fria e eu sou um bocado fria também por causa dele», prossegue.

«Sempre tive uma relação um bocado distante com o meu pai. Houve uma altura em que nem sequer falávamos um com o outro», diz Carolina Loureiro, admitindo que, agora que cresceu, consegue entender o que em criança e adolescente não percebia.

«Disse-lhe que gostava dele uma vez»

Foi numa passagem de ano que «estava longe» que disse ao pai que gostava dele. Foi a única vez. «Enviei uma mensagem igual para a minha mãe e para o meu e estava lá [escrito]… Nunca tinha dito», conta, com um sorriso nervoso.
 
Carolina recorda ainda que tinha 19 anos quando os progenitores se divorciaram. «Não tinha ferramentas emocionais», frisa, para lidar com essa separação e «nunca a quis aceitar». Na época, já vivia em Lisboa e deixou os irmãos, em Pombal, onde nasceu, «a passar por tudo sozinhos». «Eu não queria pensar muito nas coisas, até ao dia em que me caiu a ficha… Foi horrível», desabafa.

«O tempo não cura. Faz com que se aceite, mas não se esquece», diz ainda a artista.

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: reprodução redes sociais

 

Impala Instagram


RELACIONADOS