Big Brother vai ter casa “construída de raiz” na TVI

O Big Brother vai mudar de casa. Depois de três edições realizadas numa mansão da Ericeira, a TVI anunciou que a próxima edição do reality show da TVI vai ter um novo cenário.

Big Brother vai ter casa “construída de raiz” na TVI

O Big Brother vai mudar de casa. Depois de três edições realizadas numa mansão da Ericeira, a TVI anunciou que a próxima edição do reality show da TVI vai ter um novo cenário.

O Big Brother vai voltar a mudar-se. Depois de as mais antigas edições se terem realizado na Venda do Pinheiro – onde, agora, está o estúdio de Cristina ComVida – e as três mais recentes numa mansão na Ericeira, a próxima casa do reality show da TVI será “construída de raíz”, anuncia o canal em comunicado. “Depois do sucesso de Big Brother 2020, Big Brother – A Revolução e Big Brother – Duplo Impacto, o maior reality show de sempre regressa com uma nova edição. Uma nova casa, construída de raiz, novas regras de jogo, provas e desafios que vão testar as capacidades e resiliência dos novos concorrentes, mas as novidades não ficam por aqui”, lê-se na nota enviada às redações.

O regresso do programa à antena de Queluz de Baixo foi anunciado esta segunda-feira, 14 de junho. As inscrições já estão abertas. Resta saber quem são os apresentadores, uma vez que Big Brother 2020 foi conduzida por Cláudio Ramos, Big Brother – A Revolução por Teresa Guilherme e o Big Brother – Duplo Impacto por ambos.

Casa do Big Brother na Ericeira é de figura conhecida do futebol

A casa do Big Brother onde os concorrentes destas últimas três edições passaram os meses em que se realiza o reality show da TVI não pertence ao canal nem à produtora, a Endemol Entertainment Portugal. Na verdade, a mansão na Ericeira é de uma figura bem conhecida do mundo do futebol. Falamos de Carlos Azenha, treinador-adjunto do FC Porto entre 2006 e 2008. O proprietário foi também o promotor do projeto, inaugurado em 2009 e na época considerado um dos mais avançados do País em termos tecnológicos.

Em declarações a um site, Carlos Azenha explicou que, em criança, tinha “poucas condições financeiras”. “Eu, aos 27 anos, nem casa de banho tinha”, contou. Foi isso que o fez desejar “uma casa que fizesse a diferença”. “Disse a mim próprio que havia de desenvolver isso na realidade. E foi o que eu fiz. Comecei a desenvolver naquele momento o projeto para uma casa inteligente. Depois fui desafiando vários sponsors e empresas para entrarem no projeto”, recordou à mesma plataforma.

Texto: Ana Filipe Silveira;
Fotos: Reprodução Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS