Bebé sem rosto celebra dois anos. Rodrigo já diz “papá”, come e senta-se sozinho

O “bebé sem rosto”, chamado Rodrigo, tem evoluído bem. Há dois anos, os médicos davam-lhe apenas algumas horas de vida. A mãe revela agora o que o menino já consegue fazer.

Bebé sem rosto celebra dois anos. Rodrigo já diz “papá”, come e senta-se sozinho

O “bebé sem rosto”, chamado Rodrigo, tem evoluído bem. Há dois anos, os médicos davam-lhe apenas algumas horas de vida. A mãe revela agora o que o menino já consegue fazer.

O “bebé sem rosto” comoveu Portugal há dois anos. Foi assim que ficou conhecido o pequeno Rodrigo quando nasceu a 7 de outubro de 2019 no Hospital de São Bernardo, do Centro Hospitalar de Setúbal, com várias malformações graves. Artur Carvalho foi o nome mais falado naquela altura. O médico que realizou as ecografias durante a gravidez de Marlene Simão nunca detetou qualquer problema no menino. E a gestação prosseguiu, até os pais serem avisados noutra clínica de uma possível malformação, detetada através de uma ecografia 5D.

A criança nasceu sem nariz, sem olhos e sem parte do crânio. Foram-lhe dadas apenas horas de vida. Mas aquele que ficou conhecido como o “bebé sem rosto” provou que é um guerreiro, contrariando o prognóstico dos médicos. Apesar dos ataques de epilepsia e das paragens cardiorrespiratórias, Rodrigo manteve-se vivo e a evoluir dia após dia. Começou a sentar-se sozinho, a comer e até já diz “papá”, segundo o Correio da Manhã. “É uma alegria muito grande. O Rodrigo é uma criança calminha, mas reguila. Come de tudo, senta-se sozinho e até já diz papá“, disse a mãe, Marlene Simão, ao mesmo jornal diário. “O bebé sem rosto” continua a ser acompanhado no Hospital da Estefânia, em Lisboa, e de São Bernardo, em Setúbal. A equipa médica está agora a avaliar a possibilidade de realizar algumas cirurgias estéticas.

LEIA DEPOIS
Apagão das redes sociais revela que parte da sociedade é nomofóbica

Indignação geral

As malformações de Rodrigo geraram uma enorme onda de indignação nacional e internacional. O obstetra realizou as ecografias numa unidade privada, a Ecosado, e descobriu-se que tinha várias queixas em averiguação na Ordem dos Médicos. Os exames foram realizados através de credenciais passadas pelo Serviço Nacional de Saúde, mas a clínica não tinha qualquer convenção com o Estado. O Ministério Público abriu um inquérito crime e a família exigiu uma indemnização. Artur Carvalho foi expulso da Ordem dos Médicos, mas o seu advogado disse que iria recorrer da proposta. O caso do “bebé sem rosto” foi arquivado em maio deste ano por “falta de provas”. Em julho, a ministra da Saúde, Marta Temido, revelou que o médico se tinha aposentado no início desse mês.

Texto: Filipa Rosa; Fotos: Redes sociais

Impala Instagram


RELACIONADOS