Cristina Ferreira fala alto e sabe-o. «Eu tento falar um bocadinho mais baixo, mas não é natural»

«Eu tento falar um bocadinho mais baixo, mas não é natural. É incontrolável, é meu. Mas quem gosta de mim já aprendeu a viver com isso»

Cristina Ferreira abriu o coração a Daniel Oliveira no Alta Definição, dois dias antes da estreia na SIC.

Separada de António Casinhas desde 2010, a apresentadora afirmou na entrevista concedida que nunca mais se apaixonou por ninguém. Cristina e Casinhas estiveram juntos 15 anos e dessa relação nasceu Tiago, de 10. A apresentadora da Malveira já disse várias vezes que o pai do filho é o homem da sua vida e voltou a reforçar esse sentimento.

Apesar de se considerar feliz, solteira, revelou que por vezes sente arrependimento – ainda que momentâneo – de não ter um companheiro.

«Há ali momentos em que tu pensas: ‘se calhar estás aqui a perder alguma coisa. Se calhar devias investir’. Mas investir em quê? Vou andar na rua a olhar para os lados, a ver se vejo alguém? Não se procura. Até hoje nunca aconteceu», disse.

Dormir? Até nas discotecas

Recatada e caseira, Cristina Ferreira afiança que dorme bem e está sempre na cama antes das 22h00. E afirma ainda:

«Quantas vezes eu não dormi numa discoteca? Eu não bebo, eu não sou dada à dança nem a exteriorizar nada. O meu corpo acho que tem esse registo» disse, entre risos.

Mesmo quando afastada do panorama televisivo – cessou a apresentação o Você na TV em agosto de 2018– Cristina acordou sempre antes das 7h00 da manhã, afirma.

Primeiro carro tinha buracos

Quando arranjou o seu primeiro emprego em televisão, Cristina Ferreira estacionava longe dos colegas. Isto porque o primeiro carro que teve tinha buracos no chão e chovia no seu interior, o que a envergonhava.

«Estacionava-o um bocadinho mais longe para ninguém ver qual era o meu carro», admite Cristina. Ainda que hoje possa comprar o carro que quiser, diz não ser deslumbrada.

«Ainda hoje não me deslumbro com o dinheiro que tenho. Eu sou forreta. Sou muito forreta e não gasto dinheiro em coisas desnecessárias. As viagens é a única coisa à qual não ligo, porque eu só pude viajar aos 30 anos, com o meu dinheiro. Nunca tinha apanhado um avião»

Posto isto, o grande prazer de Cristina é viajar com a família.

«Os meus pais nunca tiveram férias e é um prazer enorme agora levá-los a todos. Uma vez vão uns, uma vez vão outros. Eu nunca ando sozinha. Andamos em bando. O olhar deles de felicidade é o suficiente para mim», revela.

As desilusões

Arrependimentos diz não ter. Já desilusões… Cristina diz-se desiludida com pessoas de quem gostou muito. «Pessoas em quem eu confiei muito, pessoas que eu nunca pensei que me desiludissem. Desilude quando tu deste tanto e percebes que deste a quem não merecia», afirmou.

Ainda que não guarde raiva e perdoe facilmente, diz que esquecer é mais difícil.

«Há coisas que não voltam atrás.  A vida e a profissão é que me mostraram que não deves confiar em quase ninguém»

Neste campo, os últimos tempos não têm sido fáceis para a antiga apresentadora do Você na TV. A rutura com Manuel Luís Goucha e este ter admitido a traição entre ambos tem estado nos assuntos do dia.
«Aprendi nos últimos tempos que há poucas pessoas de confiança. Que são todas sobreviventes. E para sobreviverem não se importam nada de te deitar abaixo. Custou-me muito ter visto alguma desonestidade», afirmou a Daniel.

Cristina tem dois tons de voz

Não é possível falar de Cristina Ferreira enquanto apresentadora sem mencionar o tom de voz. E ela sabe-o.

«Há dois tons de voz. Há este mais sossegado que é quando eu estou em conversa, e há o outro da televisão que eu não consigo controlar». diz, entre risos, confessando que tem recebido  mensagens que dão conta que os fãs têm saudades da sua voz em televisão.

«Eu tento falar um bocadinho mais baixo, mas não é natural. É incontrolável, é meu. Mas quem gosta de mim já aprendeu a viver com isso»

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Cristina Ferreira fala alto e sabe-o. «Eu tento falar um bocadinho mais baixo, mas não é natural»

«Eu tento falar um bocadinho mais baixo, mas não é natural. É incontrolável, é meu. Mas quem gosta de mim já aprendeu a viver com isso»