Surto de hepatite aguda em crianças ligado a cães de companhia

O surto de casos de hepatite aguda em crianças pode estar ligado aos cães de companhia, embora, de acordo com reputado imunologista britânico, onde surgiram os primeiros casos.

Surto de hepatite aguda em crianças ligado a cães de companhia

Surto de hepatite aguda em crianças ligado a cães de companhia

O surto de casos de hepatite aguda em crianças pode estar ligado aos cães de companhia, embora, de acordo com reputado imunologista britânico, onde surgiram os primeiros casos.

O recente aumento nos casos de hepatite aguda, súbita e grave em crianças em todo o mundo tem sido amplamente divulgado. Recentemente, vários meios de comunicação destacaram uma possível ligação entre casos e contatos com cães de companhia. No entanto, de acordo com Mick Bailey, reputado imunologista da Universidade de Bristol, “os dados que sugerem essa ligação são extremamente fracos”. Na verdade, “provavelmente muito mais fracos do que a maioria das hipóteses alternativas que foram propostas”, diz, sem descartar por completo a ligação aos cães de companhia.

Para ler depois
Como preparar as crianças para a chegada de um irmão
No primeiro filho, a preocupação ao trazê-lo para casa é cuidar do bebé e de todas as suas necessidades. Já no segundo filho, as prioridades mudam (… continue a ler aqui)

O aumento nos casos de hepatite em crianças foi relatado pela primeira vez no Reino Unido, tendo depois surgido também noutros países de Europa, Ásia e Américas. Embora os números em todo o mundo “ainda sejam muito baixos”, “a doença tem sido grave e algumas crianças precisaram de um transplante de fígado”. Pelo menos 11 crianças morreram e há sugestões “de que isso pode continuar por mais algum tempo“.

A hepatite em humanos é “normalmente causada por toxicidade”, como o álcool, ou por “infeções por vírus”. No entanto, “nenhum dos vírus habituais foi identificado nestas crianças”. A Agência para a Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA), organismo responsável pela proteção da saúde pública no Reino Unido, trabalha para encontrar a causa da doença, “para que ela possa ser efetivamente controlada e tratada”.

Num relatório recente, a agência relatou um alto número de “exposições a cães” nesses casos de hepatite infantil grave. No entanto, “antes de os pais impedirem os filhos de se aproximarem do cão da família, vale a pena analisar os resultados em detalhe”, tranquiliza o imunologista. A UKHSA descobriu que 70% dos pacientes (64 em 92, onde os dados estavam disponíveis) eram de famílias donas de cães ou tinham “outras exposições a cães”. No entanto, 33% das famílias no Reino Unido possuem cães e muito mais crianças de famílias que não os possuem serão expostas a cães quando visitam ou brincam com amigos. Setenta por cento da exposição a cães pode ser “completamente normal”.

Para ler também
Os sinais mais comuns do enfarte a que deve estar atento
A probabilidade de conhecer alguém que já passou por um enfarte é grande e, se não, são muitos exemplos de pessoas conhecidas que enfrentaram a condição (… continue a ler aqui)

Para sugerir uma ligação, é importante mostrar “não apenas que a exposição a cães em pacientes é alta, mas que é maior do que em crianças não afetadas”. “Até que isso seja verificado no que é conhecido como caso de estudo, qualquer ligação nada mais é do que uma sugestão.” Um segundo problema com os dados é que, “se você fizer perguntas suficientes, há uma forte probabilidade de que as respostas para uma ou mais perguntas pareçam vinculadas a casos”.

“Quando recolhemos grandes quantidades de dados retrospectivamente, esse tipo de associação pode ocorrer facilmente. Na verdade, existe um site dedicado a recolhê-los. E eis um exemplo: a taxa de divórcio no Maine entre 2000 e 2009 parece estar fortemente ligada ao consumo per capita de margarina.”

O ponto importante sobre as ligações identificadas pelos dados retrospectivos é que eles “são hipóteses”. “É sempre necessário haver verificação, através da recolha de mais dados sobre novos casos. Se a ligação for real, continuará a surgir em novos dados. Se for enganosa, não surgirá”, explica Mick Bailey.

“Uma das associações no site de correlação ilegítima mostra outro problema importante. Entre 2000 e 2009, o consumo per capita de queijo nos Estados Unidos parece estar ligado a mortes como resultado de emaranhados em lençóis. Na verdade, não é difícil pensar que isto pode acontecer como resultado de pesadelos induzidos por queijo. O fato de podermos pensar num mecanismo subjacente à ligação dá-nos mais confiança de que pode ser verdade, mesmo que o mecanismo seja bastante forçado. Tendemos a dar mais peso às associações onde podemos pensar numa razão, mesmo quando a evidência é pobre”, diz.

Para ler mais tarde
Os vários significados do silêncio e como este interfere na vida das pessoas
“Não se pode mais falar em silêncio. A expressão mais abrangente seria ‘os sentidos do silêncio’. Os silêncios de submissão ou opressão não são benéficos, colocando indivíduos na posição de quem não pode desejar” (… continue a ler aqui)

Portanto, quais são as possíveis causas do aumento nos casos de hepatite em crianças? E alguma delas pode estar ligada a cães de companhia? “Um vírus em particular, um adenovírus, foi detetado no sangue de 72% dos pacientes testados (para comparação, o SARS-CoV-2 foi detetado em apenas 18%).”

Onde foi possível identificar aquele tipo de vírus, “verificou-se que era o adenovírus 41 (Ad41), um tipo de vírus humano que normalmente causa diarreia em crianças“. “Embora os cães tenham os seus próprios adenovírus que causam doenças respiratórias ou hepatite, não são conhecidos por infetar humanos e o Ad41 não tem associação conhecida com cães.”

Os casos em crianças “não sugerem” que a infeção esteja a transmitir-se entre crianças – “há muito poucos casos, amplamente distribuídos para isso”. Da mesma forma, “a distribuição dos casos não sugere que este seja um novo vírus transmitido de cães para crianças”. “Os casos surgiram noutros países de forma muito mais rápida do que um vírus canino se transmitira entre cães.”

Há outra hipótese, ligada às medidas impostas pela pandemia de covid-19. “Tem de facto sido sugerido que a gravidade da hepatite é resultado do funcionamento incorreto do sistema imunológico – muito forte ou não suficientemente forte. O distanciamento social durante a pandemia reduziu a transmissão de uma série de doenças e a falta de exposição pode ter deixado algumas crianças impreparadas para infeções que normalmente não causariam problemas.”

Para ler depois
A importância do teste de aptidão para o futuro dos nossos filhos
Antes de escolher a profissão é fundamental ter a oportunidade de desenvolver autoconhecimento. Especialista fala sobre a importância do teste de aptidão para o futuro dos nossos filhos (… continue a ler aqui)

Da mesma forma, “falta de exposição à sujidade como resultado da frequente lavagem das mãos, esterilização de superfícies e outras medidas de higiene podem ter predisposto as crianças a respostas imunes hiper-reativas [como foi sugerido para doenças alérgicas], e a hepatite pode ser causada pela resposta imune, em vez de um vírus”. Finalmente, “e não surpreendentemente”, foi sugerido que infeções anteriores por covid podem ter predisposto as crianças à hepatite.

“Tudo isso não passa de teorias no momento. Os dados disponíveis são insuficientes para dar mais importância a qualquer uma delas ou usá-las para sugerir medidas de controlo. Felizmente, a incidência ainda é extremamente baixa e, até que haja dados mais concretos, os pais provavelmente devem concentrar-se mais em ficar de olho em quaisquer sintomas nos filhos do que em reduzir a sua exposição a cães”, tranquiliza o imunologista .

Impala Instagram


RELACIONADOS