Portugueses gastam 150 milhões de máscaras por mês

Máscaras descartáveis, não são recicladas e estão a contribuir para o aumento de plástico nos oceanos. Saiba o que pode fazer para ajudar o Planeta e de que forma a pandemia está a contribuir para a degradação ambiental.

Portugueses gastam 150 milhões de máscaras por mês

Portugueses gastam 150 milhões de máscaras por mês

Máscaras descartáveis, não são recicladas e estão a contribuir para o aumento de plástico nos oceanos. Saiba o que pode fazer para ajudar o Planeta e de que forma a pandemia está a contribuir para a degradação ambiental.

O ano 2020 ficou marcado pelo início da pandemia da covid-19. Como se não bastassem os milhões de mortes, os danos na saúde e os desastres económicos provocados pelo novo coronavírus, o Mundo vê-se agora a braços com mais um problema gigantesco: o aumento da poluição. Nos primeiros meses de pandemia, com confinamento quase à escala global, houve uma imensa redução na emissão de gases poluentes. Depressa isso mudou. Carros, barcos e aviões parados em todo o Mundo e as pessoas fechadas em casa fizeram com que o planeta Terra pudesse respirar um pouco de ar puro. No entanto, há outro fator que está a preocupar os ambientalistas: o uso de máscaras e outros equipamentos protetores, tanto da população em geral, como dos profissionais de saúde, já que quase todos eles são compostos por peças de plástico. Todos os meses são usadas, no Mundo inteiro, cerca de 129 mil milhões de máscaras. Só em Portugal, no mesmo período, são usadas 150 milhões.

“As máscaras descartáveis são constituídas essencialmente por material plástico, pelo que a sua nocividade para o ambiente é semelhante à de outros resíduos de plástico, o que inclui não só impactos na própria produção do plástico, mas também na fase de resíduo”, refere o Ministério do Ambiente e da Ação Climática (MAAC).

Máscaras atiradas para o chão

máscaras
“Um dos grandes problemas que se verifica com a utilização destas máscaras é também o descarte incorreto para o chão”

“Um dos grandes problemas que se verifica com a utilização destas máscaras é também o descarte incorreto para o chão, que pode levar a que estes plásticos acabem no solo, nos rios e no mar, com consequências semelhantes, por exemplo, às dos restantes plásticos quando abandonados.

A contaminação de solo e massas de água, não só pelo próprio plástico, mas também pelos materiais que resultam da sua degradação e os efeitos nefastos ao nível da vida marinha”, continua a explicar a mesma entidade, acrescentando ainda que “se um por cento das máscara descartáveis forem depositadas incorretamente, além do risco para a saúde pública, são seis toneladas de plástico a entrar nos nossos solos, nos nossos rios e ribeiras e no mar, todos os meses. E este é um material que demora entre 300 a 400 anos a degradar-se”.

As máscaras usadas pela maioria das pessoas – as chamadas cirúrgicas – não são recicláveis. No entanto, existem projetos em desenvolvimento com vista a que a reciclagem possa ser possível e que têm tido resultados positivos. “Destaca-se, por exemplo o projeto Recolher e Valorizar, desenvolvido pela empresa TO-BE-GREEN em parceria com o Departamento de Engenharia Têxtil da Universidade do Minho, que assenta na valorização de máscaras de proteção descartáveis.

O projeto tem como objetivo recolher as máscaras usadas e transformá-las em pellets de polipropileno, para posterior incorporação como matéria-prima na indústria transformadora, criando novos produtos e promovendo a circularidade dos materiais, sem deixar de cumprir as condicionantes legais aplicáveis à tipologia de projeto”, refere o MAAC, sublinhando que, “entendendo as suas vantagens do ponto de vista ambiental, a Agência Portuguesa do Ambiente já manifestou o seu apoio a este projeto”.

O que podemos nós fazer?

máscaras
Utilização de máscaras reutilizáveis em detrimento das descartáveis pode ser uma das melhores opções para poupar o ambiente e estimular a economia nacional

Mas se existem projetos desta natureza em andamento, é necessário também que cada um de nós faça a sua parte. A utilização de máscaras reutilizáveis em detrimento das descartáveis pode ser uma das melhores opções, pois reduziria a produção de resíduos e o consumo de materiais. “A opção por comprar estas máscaras produzidas em Portugal tem ainda a vantagem acrescida de promover a economia nacional, ao mesmo tempo que se reduzem os impactos resultantes do seu transporte, por exemplo”, acrescenta ainda o Ministério do Ambiente.

Essencial também é garantir que as máscaras descartáveis, após utilização, não são deitadas para o chão, mas sim depositadas no contentor dos resíduos indiferenciados. “Importa ainda destacar outros produtos descartáveis bastante utilizados em resultado da pandemia, como as luvas ou os protetores de sapatos, de material plástico, os quais apenas devem ser utilizados em situações específicas de prevenção da contaminação. Sempre que possível, deve ser evitada a produção destes resíduos”, acrescenta a entidade governamental.

Em 24 de novembro de 2020, o Governo lançou a campanha Não Deixes Cair a Máscara, com o objetivo de promover o uso de máscaras recicláveis e sensibilizar a população para a correta deposição das descartáveis. “A campanha tem a população jovem em idade escolar como público-alvo e apela à sua forte consciência ambiental, esperando alcançar um universo mais alargado (pais e respetivas famílias, professores e outros elementos da comunidade escolar), alertando para a responsabilidade individual da utilização da máscara e no seu contributo para a redução de impactos ambientais”, diz a mesma fonte.

Zaragatoas e embalagens de álcool-gel

Nestes tempos de pandemia, não são apenas as máscaras que têm forte impacto na poluição. Há outros materiais, como as zaragatoas ou as embalagens de álcool-gel, largamente utilizados em todo o Mundo e que também têm plástico. O MAAC não tem informação quanto ao número de zaragatoas usadas diariamente, em Portugal, nem no Mundo. No entanto, segundo dados do Instituto Nacional de Resíduos Dr. Ricardo Jorge, só na semana de 10 a 16 de junho foram realizados 287.212 testes em ambiente hospitalar – número que não contabiliza os testes rápidos realizados em farmácias ou em casa.

“São dispositivos de uso único e constituídos por material plástico. Pelo que, à semelhança das máscaras, têm também impactos ambientais, não só associados à sua gestão como resíduo, mas à própria produção. O seu tratamento, após utilização, é maioritariamente como resíduo hospitalar, não sendo atualmente passíveis de reciclagem”, explica o MAAC. Em relação às embalagens de álcool-gel, feitas de plástico, o grande objetivo é a prevenção da produção de resíduos.

Daí o “apelo à lavagem das mãos com água e sabão, em detrimento do consumo de álcool-gel, atendendo a que é uma opção ambientalmente preferida e que protege da infeção”, diz a mesma fonte, acrescentando que “importa ainda ponderar as situações em que é possível a reutilização das embalagens, diminuindo, desta forma, a produção de resíduos”. “Nos casos em que tal não seja possível, é fundamental garantir a deposição seletiva das embalagens usadas, garantindo a reciclagem do resíduo e a produção de novos produtos a partir dele, com consequente redução do consumo de matérias-primas virgens.

Texto: Patrícia Correia Branco

Impala Instagram


RELACIONADOS