Sete em cada 10 portugueses dizem que o financiamento na Saúde é insuficiente

Sete em cada dez portugueses consideram insuficiente o investimento feito pelo Estado na Saúde e entendem que a falta de profissionais é o principal problema do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Sete em cada 10 portugueses dizem que o financiamento na Saúde é insuficiente

Sete em cada 10 portugueses dizem que o financiamento na Saúde é insuficiente

Sete em cada dez portugueses consideram insuficiente o investimento feito pelo Estado na Saúde e entendem que a falta de profissionais é o principal problema do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Sete em cada dez portugueses consideram insuficiente o investimento feito pelo Estado na Saúde e entendem que a falta de profissionais é o principal problema do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Outra das falhas apontados ao SNS prende-se com a dificuldade de relacionamento dos utentes com as instituições, bem como os tempos de resposta.

•    Mais de 70% dos portugueses dizem que o financiamento na Saúde é insuficiente e querem contratação de mais profissionais.
•    Nestes dois últimos anos ficaram por realizar 14 milhões de consultas médicas presenciais nos centros de saúde em comparação com 2019.
•    Menos 18% de mulheres com mamografia realizada, menos 13% de mulheres com colpocitologia atualizada e menos 5% de utentes com rastreio do cancro do colon e reto efetuado face a 2020.

As conclusões constam de um estudo realizado pela GFK Metris para o Movimento Saúde em Dia, constituído pela Ordem dos Médicos, Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares e pela Roche. O estudo foi feito através de mil entrevistas a adultos em Portugal, com uma amostra representativa da população. As entrevistas ocorreram entre 20 de setembro e 6 de outubro deste ano.

A par desta análise ao que pensam e sentem os portugueses em relação ao estado atual da Saúde em Portugal, o Movimento Saúde em Dia apresenta hoje novos indicadores sobre o acesso ao SNS em tempos de pandemia. Esta análise, com base nos indicadores oficiais do Portal da Transparência do SNS e do Bilhete de Identidade dos Cuidados de Saúde Primários, indicia que a atividade em 2021 está a ser insuficiente para recuperar o que ficou por fazer durante a pandemia.

A título de exemplo, muitos cancros continuam por identificar, dada a redução de rastreios nos casos do cancro da mama, do colo do útero e do reto. Perante os dados disponíveis da atividade até setembro deste ano, a MOAI Consulting desenvolveu uma projeção do que deverá ser a realidade até ao final de dezembro. Assim, o Movimento Saúde em Dia deixa algumas das principais conclusões e linha condutoras destas duas análises apresentadas publicamente dia 3 de novembro.

Snálise ao acesso aos cuidados de Saúde no SNS

•    Menos 18% de mamografias realizadas; menos 13% de rastreios ao cancro do colo do útero e menos 5% de rastreios ao cancro do cólon e do reto em 2021 comparativamente com 2020;
•    A incidência de neoplasias mantém a tendência decrescente de 2020, evidenciando que muitos casos de novos cancros ficaram por identificar durante os anos de pandemia: a incidência do cancro da mama reduziu-se, entre 2021 e 2020, em 2% (menos 19% entre 2020 e 2019)     ; a incidência do cancro do colo do útero baixou 15% (menos 25% entre 2020 e 2019) e da neoplasia do colon e reto decresceu 9% (menos 22% entre 2020 e 2019);
•    Apesar do aumento esperado de 14% nos contactos presenciais médicos nos centros de saúde em 2021 face a 2020 (mais 1,8 milhões), este valor mantém-se distante das consultas realizadas em 2019. Nestes dois últimos anos ficaram por realizar 14 milhões de consultas (6,1 milhões e 7,9 milhões comparando 2021 e 2020, respetivamente, com o ano de 2019);
•    A nível hospitalar estima-se que os valores de consultas e cirurgias em 2021 estejam em linha com 2019. Apesar da retoma assistencial, estes valores são insuficientes para recuperar a atividade não realizada em 2020, pelo que se estima que, entre 2020 e 2021 tenham ficado por realizar mais de 2,8 milhões de contactos com os Cuidados de Saúde Hospitalares (consultas presenciais, cirurgias programadas e episódios de urgência graves), comparativamente com 2019;
•    Nesta análise da MOAI foram comparados os dados disponíveis referentes ao ano de 2019, 2020 e 2021, com a estimativa dos dados para os últimos meses em falta.

Estudo à população portuguesa

•    7 em cada 10 portugueses entendem que o investimento atualmente feito pelo Estado na Saúde é insuficiente;
•    A prioridade do financiamento na Saúde deveria ir para a contratação de mais profissionais, nomeadamente médicos;
•         56% dos portugueses avaliam positivamente o SNS, 36% não o consideram ‘nem bom nem mau’ e apenas 7% o classificam negativamente;
•    9 em cada 10 portugueses são favoráveis à criação de parcerias entre o SNS e os privados para encaminhar doentes nos casos em que o SNS não tem capacidade de resposta em tempo útil.
•    Apesar da avaliação positiva do SNS, os portugueses apontam como principais problemas a falta de profissionais de saúde (37%) e os elevados tempos de espera para a marcação de atos médicos ou de saúde (42%);
•    Sobre o impacto da pandemia nos serviços de saúde, 35% dos portugueses entendem que a sobrecarga nos serviços vai prolongar-se por 2022, cerca de 25% dizem que deve durar até final deste ano e há 15% que antecipa que durante o outono a situação deve estar normalizada;
•    Os portugueses destacam a vantagem de ter médico de família, sublinhando a relação continuada e a proximidade, mas queixam-se dos tempos de espera para marcar consulta e da dificuldade em contactar os centros de saúde;
•    Como medidas para melhorar o acesso ao SNS, o contributo dos portugueses centra-se em três questões fundamentais: contratação de mais médicos e profissionais de saúde, diminuição dos tempos de espera para consultas e um acesso facilitado a exames ou consultas de especialidade.

Impala Instagram


RELACIONADOS