Luis Fonsi: “Todos sonhamos ter um hit mundial. O “despacito” deu-me essa oportunidade”

Com uma carreia de quase duas décadas, Luis Fonsi revelou ao Impala News o estado de felicidade que o “Despacito” lhe trouxe. Com dois concertos em Portugal este mês de julho, o portoriquenho promete por toda a gente a dançar.

Luis Fonsi:

Luis Fonsi: “Todos sonhamos ter um hit mundial. O “despacito” deu-me essa oportunidade”

Com uma carreia de quase duas décadas, Luis Fonsi revelou ao Impala News o estado de felicidade que o “Despacito” lhe trouxe. Com dois concertos em Portugal este mês de julho, o portoriquenho promete por toda a gente a dançar.

Luis Fonsi é o cantor do momento. O portoriquenho viu o tema “Despacito” quebrar fronteiras e instalar-se um pouco por todo o globo como o maior “hit” de 2017. Em declarações exclusivas ao Impala News, Fonsi recordou o menino que fazia da musica o seu passatempo de eleição, assumiu o momento de felicidade conquistado com o tema, a expectativa pelos dois concertos em solo nacional, e,  surpreendentemente,  revelou desconhecer completamente Magga Bracco, a venezuelana de corpo sensual que ajudou a popularizar o tema com o seu bailado.

Início de carreira

Impala News – Com quase 20 anos de carreira, quando percebeu que queria fazer da música a sua vida?

Luis Fonsi – Desde muito novo percebi que aquilo que queria para a minha vida era cantar e comecei cedo a preparar-me para tal. Tive aulas de piano e de guitarra. A música sempre foi o meu passatempo favorito. Comecei ainda antes dos 10 anos em Porto Rico e continuei já depois nos Estados Unidos, para onde a minha família emigrou. Não tive um momento específico que me fizesse perceber que ia ser músico. Quando dei por mim já estava a lançar o meu primeiro álbum, em 98.

INImagino que  esse momento ainda tenha um significado especial para si…

LF – Sim. Nesse momento senti que cumpria um sonho de menino. Olhar para a capa do disco e ver o meu nome, a minha foto e músicas compostas por mim. Foi, sem dúvida, um momento muito especial.

IN – Quase 20 anos depois, sente-se mais perto do cantor que idealizou quando começou a carreira?

LF – Sim, tenho evoluído e crescido naturalmente. Cada disco acaba por ser o reflexo de quem somos naquele momento. Hoje sou um cantor muito diferente do que era no primeiro trabalho, mas acaba por ser uma mudança quase inconsciente.

O Fenómeno “Despacito”

INO seu último trabalho tem sido um tremendo sucesso, nomeadamente o tema “Despacito”. A canção surgiu de algum momento de inspiração?

LFNão! (risos). O “despacito” surgiu como todas as minhas canções. Sento-me, pego na minha guitarra e começo a compor. Muito sinceramente, sempre senti que a canção podia tornar-se algo importante no panorama musical. Era simples, tinha ritmo, mas de qualquer forma nunca sabemos como o público a vai receber.

IN –  Parece que a recebeu bem…

LF – Muito bem (risos). Nunca pensei que se ia tornar numa canção que quebraria todo o tipo de recordes. Transformou-se numa das mais importantes da história da música latina. Esse facto coloca-a desde logo na mais importante de toda a minha carreira. Todos os artistas sonham ter um “hit” mundial e esse momento tocou-me agora. A canção está no top em 89 países e é apenas a terceira vez na história que um tema cantado em espanhol lidera o ranking nos Estados Unidos.

“Não faço ideia quem é Magga Braco…”

IN – Em Portugal começámos a escutar a música com maior regularidade depois de Magga Braco ter surgido num vídeo a dançá-la. Incomoda-o de alguma forma que alguém tire proveito da canção para aparecer?

LF – Muito honestamente não sei quem é Magga Braco, nem conheço o vídeo que me fala. Com a popularidade da música surgiram muitas paródias sobre a mesma. Algumas até muito bem humoradas e que me agradaram. Não me incomoda de forma alguma! Antes pelo contrário! É sinal do sucesso que a canção tem feito e acabam por me ajudar a divulgá-la cada vez mais.

Universal Music Portugal
“Estou emocionado por cantar em Portugal”

IN –  Expectativas para os dois espetáculos que irá dar este mês ( dia 18 no Campo Pequeno e 19 no Multiusos de Gondomar) em Portugal?

LF – Em primeiro lugar devo dizer que estou muito emocionado por poder estar em Portugal pela primeira vez. Ter a oportunidade de cantar no vosso país faz-me muito feliz. É uma honra que me que queiram ouvir. Infelizmente como estou em “tour” não vou poder ficar muitos dias. Mas já ouvi falar muito bem da gastronomia, que  é muito saborosa. Vou ter que comprovar (risos). Espero voltar com mais tempo para também conhecer melhor as raízes da música portuguesa.

 

Texto: Pedro Alcaide

 

 

 

 

 

 

Impala Instagram

Mais

RELACIONADOS