Freddie Mercury: cantor que invejava jornalistas e teria odiado filme sobre si faria hoje 76 anos

Se fosse vivo, Freddie Mercury celebraria hoje o 76º aniversário. Para assinalar a data fique a conhecer alguns segredos do cantor que se tornou numa lenda.

Freddie Mercury: cantor que invejava jornalistas e teria odiado filme sobre si faria hoje 76 anos

Se fosse vivo, Freddie Mercury celebraria hoje o 76º aniversário. Para assinalar a data fique a conhecer alguns segredos do cantor que se tornou numa lenda.

Se fosse vivo, Freddie Mercury celebraria hoje o 76º aniversário. E apesar de já ter falecido há 31 anos, quando tinha 45, o carismático líder dos Queen continua a alimentar diversas notícias. Para assinalar a data, Lesley-Ann Jones, biógrafa do cantor, revela algumas informações sobre o artista que invejava jornalistas e que teria odiado o filme que fizeram sobre si.

Freddie Mercury surgiu em público pela última vez há 32 anos
A 18 de fevereiro de 1990, Freddie Mercury surgia pela última vez em público. Recorde esse momento (… continue a ler aqui)

Em conversa com o Aventuras na História, a biógrafa de Freddie Mercury aborda o bem-sucedido Bohemian Rhapsodym filme lançado em 2018. “Talvez a coisa mais desconcertante sobre o filme, para mim, é que a infância e os primeiros anos de escola de Freddie são pouco referenciados. Para equilibrar, precisávamos de algo sobre o seu passado misterioso. Precisávamos de saber como é que esse menino das colónias apareceu em Inglaterra. A sua história não começou no oeste de Londres em 1964, mas em Zanzibar em 1946”, defende Lesley-Ann Jones, autora de quatro livros sobre o cantor.

Lesley-Ann Jones deixa ainda várias críticas à longa-metragem, como o facto de Rami Malek (protagonista) aparecer com olhos azuis. E há mais! “A licença criativa é permitida. A deturpação é mais aceitável quando o sujeito é falecido? Eu defendo que não é bem assim”, refere, argumentando que Freddie Mercury não está cá para revelar o seu lado da história. Para a biógrafa, os produtores deveriam tem tentado retratar o artista “como ele realmente era, e não como aqueles que compartilhavam a sua órbita poderiam ter preferido que ele fosse”. E será que o cantor teria apreciado o filme? “Acho que teria odiado o filme, assim como teria odiado o musical de palco do Queen ‘We Will Rock You’. Ambas as produções não são mais do que veículos para a incrível música dos Queen”, acusa.

Freddie Mercury invejava os jornalistas

A biógrafa conta ainda que Freddie Mercury “não gostava de jornalistas como regra, e odiava ser entrevistado”. Ainda assim, mais tarde o cantor acabou por lhe confessar que “invejava” os jornalistas. Tudo porque os repórteres tinham uma liberdade e privacidade que os seus milhões nunca poderiam comprar de volta. Lesley-Ann Jones conta ainda que o artista era duas pessoas muito diferentes. “Freddie Mercury era o artista. Freddie Bulsara era o indivíduo privado. O primeiro parecia sobre-humano e dominava palcos e centenas de milhares de pessoas com facilidade. O segundo era muito menor, mais tímido e reservado. E era ‘ele mesmo’ apenas com pessoas que conhecia bem e em quem confiava”, refere.

Futuro da carreira não passaria pelos Queen

E como seria a carreira de Freddie Mercury se ainda fosse vivo? “Acredito que se teria tornado num artista de concerto solo, e teria feito aparições em grandes casas de ópera ao redor do mundo com Montsy [soprano espanhola]”, defende Jones. “Os Queen acabariam por dissolver-se, pois não poderiam ter continuado como Queen sem o seu frontman. Eles tiveram uma carreira de quase trinta e um anos além da morte de Freddie [somente] porque ele morreu”, diz. Por fim, a biógrafa revela por que o cantor se tornou numa lenda: as canções imortais e o facto de ter morrido. “Misturem isso com a fama duvidosa de Freddie como a primeira vítima de SIDA do rock’n’roll, e a tragédia perfeita torna-se numa lenda”, conclui.

Últimos dias vida de Freddie Mercury

Foi em 1987 que Freddie Mercury foi diagnosticado com HIV. O diagnóstico foi mantido em segredo dos fãs e aos outros membros dos Queen o cantor disse querer fazer música enquanto lhe fosse possível. A banda ainda lançou mais dois álbuns, sendo que não existiram digressões como antigamente.

Em tempos, Peter Freestone, amigo e assistente pessoal do cantor, revelou que o artista decidiu parar de tomar a medicação para a doença. “Acredito que estava em paz consigo. Decidiu parar de tomar a medicação nos seus termos. Sabia as consequências das ações e teve tempo para conversar com amigos e familiares e despedir-se”, disse em entrevista ao podcast Ask Phoebe.

O último desejo de Freddie Mercury foi voltar a ver a coleção de arte que tinha em casa e da qual era grande apreciador. Algo que conseguiu fazer depois de vários meses acamado. Foi Terry Giddings, segurança do cantor, quem carregou Freddie Mercury para que o último desejo fosse realizado na companhia dos entes queridos. Durante a visita o artista falou sobre a forma como tinha adquirido diversas peças da sua coleção. O líder dos Queen acabaria por morrer às primeiras horas da manhã de 24 de novembro de 1991. No dia anterior tinha sido revelado um comunicado a dar conta da doença de Freddie Mercury, que morreu de pneumonia brônquica e de mão dada a Mary Austin, a sua ex-namorada.

Testamento polémico

Até hoje não se conhece a verdadeira dimensão da fortuna de Freddie Mercury no momento da sua morte. Estima-se que o cantor tivesse um património avaliado em quase 87 milhões de euros. Sendo que algumas das pessoas mais próximas do artistas considerem polémico o facto de ter deixado boa parte da fortuna a Mary Austin. Freddie Mercury chegou mesmo a dizer que nenhum dos seus namorados conseguiria ocupar o lugar da ex-namorada. No testamento, Freddie Mercury pediu que Mary Austin espalhasse as suas cinzas num local secreto. Acredita-se que apenas a ex-namorada do cantor conheça a localização do local.

Mary Austin ficou com metade da propriedade de Freddie Mercury, com os royalties de gravação e uma casa de 29 milhões de euros em Londres, na qual ainda vive. A outra metade da propriedade ficou para os pais e irmã do cantor. Jim Hutton, namorado do artista nos últimos anos da sua vida, terá recebido 578 mil euros. O mesmo valor que foi dado a Joe Fanelli, chef e antigo companheiro de Mercury. Por sua vez, o motorista Terry Giddings recebeu 116 mil euros.

Texto: Bruno Seruca

Impala Instagram


RELACIONADOS