Festival da Canção 2018: José Cid completa meio século de participações

50 anos depois da primeira participação, José Cid volta ao Festival RTP da Canção, desta vez como um dos 26 compositores convidados pela estação pública de televisão para elaborar as canções que irão competir para suceder a Amar Pelos Dois, de Luísa e Salvador Sobral.

Festival da Canção 2018: José Cid completa meio século de participações

50 anos depois da primeira participação, José Cid volta ao Festival RTP da Canção, desta vez como um dos 26 compositores convidados pela estação pública de televisão para elaborar as canções que irão competir para suceder a Amar Pelos Dois, de Luísa e Salvador Sobral.

Aos 75 anos, José Cid vai participar pela 14ª vez no Festival da Canção. A RTP anunciou esta quarta-feira, 27 de setembro, os 26 compositores que, em março de 2018, irão concorrer ao certame. No ano em que Portugal recebe pela primeira vez o Festival Eurovisão da Canção, o concurso nacional conta com a participação de um músico experiente nestas lides.

O número de participações de José Cid no certame de música é impressionante: em 2018, será a 14ª vez que irá a concurso. No entanto, Cid venceu o Festival da Canção uma única vez como intérprete, em 1980, com a canção Um Grande Grande Amor. A música, que representou Portugal na Eurovisão, na Holanda, ficou em sétimo lugar, uma das melhores classificações de sempre.

Em 1998, voltou a vencer, desta feita como compositor de Se eu te Pudesse Abraçar, interpretado pelos Alma Lusa, que representaram Portugal na Eurovisão, em Inglaterra.

José Cid no Festival da Canção

1968 foi o ano da primeira participação, com a música Balada para Dona Inês.

 

Em 1974, concorreu com três canções: a solo com A Rosa que Te Dei e com os Green Windows, com as músicas No dia em que o rei fez anos e Imagens.

Em 1978, voltou a participar com quatro temas: O meu Piano, O Largo do Coreto, Aqui Fica uma Canção e Porquê, meu Amor Porquê?.

A vitória acabaria por chegar em 1980, com Um Grande, Grande Amor. Um ano depois, em 1981, concorre com Morrer de Amor por Ti.

Em 1988, José Gonçalo, sobrinho do músico,  interpreta Cai Neve Em Nova York, música composta por José Cid.

Em 1993, concorreu com o fadista Paulo Bragança com O Poeta, o Pintor e o Músico.

Em 1995, compôs Plural, interpretada por Teresa Brito.

Em 1996, compõe Ganhámos o Céu para Cristina Castro Pereira.

Em 1997, os Meninos da Sacristia interpretam Canção Urgente, da autoria de José Cid.

Em 1998, volta a vencer o Festival RTP da Canção, como compositor e autor da canção Se eu te pudesse abraçar, interpreta pela banda Alma Lusa. Nesse ano, Cid voltou a subir ao palco da Eurovisão, cantando nos coros e tocando acordeão.

Em 2007, produz o tema Na Ilha dos Sonhos” de Zé P.

 

A última participação acontece em 2015. José Cid compôs, em parceria com Gonçalo Tavares, Tens Uma Mágica.

 

Texto: Raquel Costa / Fotos: Impala

Impala Instagram

Mais

RELACIONADOS