Eurovisão 2018: quem vão ser os apresentadores?

A seis meses de Portugal receber pela primeira vez o Festival Eurovisão da Canção, a pergunta que se impõe: quem vão ser os apresentadores do festival?

Eurovisão 2018: quem vão ser os apresentadores?

A seis meses de Portugal receber pela primeira vez o Festival Eurovisão da Canção, a pergunta que se impõe: quem vão ser os apresentadores do festival?

Catarina Furtado, Herman José, Sílvia Alberto ou mesmo Diogo Morgado e Daniela Ruah são alguns dos nomes apontados em vários fóruns como potenciais candidatos à apresentação do Festival Eurovisão da Canção que, em maio de 2018, acontecerá em Portugal.

 Os nomes, se já estão escolhidos, permanecem em segredo absoluto e só serão divulgados nos primeiros dias de 2018. No entanto, Gonçalo Madaíl, líder da equipa da RTP que está a organizar o festival, levanta o véu sobre as características que deverão ter os anfitriões de uma transmissão televisiva que, só para dar o exemplo de 2017, foi vista por 200 milhões nos quatro cantos do planeta.

 «A escolha obedece a dois fatores: o orgulho na nossa portugalidade e quem conta bem esta história, quem sabe estar no palco desta forma, quem sabe gerir um concurso com esta pressão internacional, quem sabe fazer isto melhor». O responsável adianta ainda que a equipa organizadora está atenta às sondagens não oficiais que circulam na net.

Apresentadores serão «rostos portugueses»

 Questionado sobre se a escolha estará restrita a rostos da RTP, Gonçalo Madaíl responde de forma evasiva. «Serão garantidamente rostos portugueses. Mesmo o número de apresentadores depende um bocadinho de quem serão porque há apresentadores e apresentadores. Há uns que têm um drive muito ligado aos concursos para outros que não têm tanta preparação mas que sabemos que são capazes de animar uma sala com 10 ou 15 mil pessoas».

 Sobre a hipótese de caras de outros canais virem a apresentar o Festival da Eurovisão, o responsável da RTP diz que este é «um evento nacional e tem um orgulho próprio. A RTP é o produtor anfitrião e é lógico que o orgulho da RTP é uma das primeiras camadas. Agora, todas as pessoas que possam vir a compor este naipe podem pertencer ou não a outros canais. Primeiro do que tudo, é de tal ordem especial que tínhamos de sentir com as pessoas se querem, se sentem, se estão disponíveis. Algumas até vieram ter connosco», revela Gonçalo Madaíl.

A RTP apresentou esta terça-feira, o calendário, o logótipo e as principais atividades paralelas que a cidade de Lisboa receberá no âmbito do 63º Festival Eurovisão da Canção.

 

Texto: Raquel Costa

Impala Instagram

Mais

RELACIONADOS