Conheça o distúrbio que afeta Chris Martin, dos Coldplay, e que pode levar ao suicídio

Médica otorrinolaringologista alerta que distúrbio incómodo que afeta Chris Martin, dos Coldplay, pode mesmo levar ao suicídio.

Conheça o distúrbio que afeta Chris Martin, dos Coldplay, e que pode levar ao suicídio

Conheça o distúrbio que afeta Chris Martin, dos Coldplay, e que pode levar ao suicídio

Médica otorrinolaringologista alerta que distúrbio incómodo que afeta Chris Martin, dos Coldplay, pode mesmo levar ao suicídio.

Os Coldplay são uma das bandas do momento e não apenas em Portugal. Por cá foram anunciados quatro concertos em Coimbra que esgotaram rapidamente e a banda britânica, liderada por Chris Martin, acaba de atuar na edição brasileira do Rock in Rio e o espetáculo é já considerado uma das melhores atuações de sempre do festival que também se realiza em Portugal. Aquilo que é desconhecido de muitos fãs da banda é que o cantor lida há duas décadas com um distúrbio incómodo que pode mesmo resultar em surdez.

Dois detidos por especulação de bilhetes para concerto dos Coldplay
Um dos detidos foi já presente a tribunal e condenado a uma pena de prisão suspensa (… continue a ler aqui)

O nome da condição que afeta Chris Martin tem o nome de Tinnitus, ainda que seja popularmente conhecida simplesmente como zumbido no ouvido. O artista já faz saber que o problema foi diagnosticado em 2002 e que está relacionado com o facto de ter ouvido música alta durante um longo período de tempo. Esta situação levou mesmo a que o cantor fosse obrigado a usar um aparelho durante os concertos de modo a evitar a perda auditiva permanente.

Tudo isto faz com que se verifique uma maior curiosidade em torno da condição que afeta Chris Martin há duas décadas. Será que o problema tem origem apenas na música alta? A Globo esteve à conversa com a médica otorrinolaringologista Ana Carolina Telles que aborda o tema de forma mais desenvolvida. O Tinnitus é uma ilusão auditiva. Ou seja, uma percepção sonora, sendo que o som não tem origem em nenhuma fonte externa. Os zumbidos podem variar na intensidade, tanto podem aparecer num ouvido como em ambos e podem ser contínuos ou intermitentes. De acordo com a especialista, uma das formas de identificar o problema passa por uma audiometria.

Causas

– Perda auditiva;
– Exposição a ruídos, como música alta com ou sem fones;
– Envelhecimento;
– Alimentação (especialmente cafeína e derivados);
– Medicamentos;
– Excesso de cera;
– Doenças sistémicas, como hipertensão;
– Stress;

Problema comum em músicos

Salienta a especialista que a música alta, ouvida com ou sem fones de ouvido, é um dos principais fatores de perda auditiva por ruídos. Qualquer barulho acima de 85 decibéis pode dar origem a lesões auditivas quando se verifica uma exposição prolongada. Daí que seja um problema bastante comum em músicos. “ Quando há exposição a sons muito altos, é comum que ocorra um trauma acústico, que é quando as células auditivas são danificadas de forma temporária ou permanente. Neste cenário, a exposição a quaisquer ruídos de forte intensidade pode causar perda de audição. Com as lesões e consequentes perdas auditivas, surge o zumbido no ouvido. Embora seja um sintoma comum após a exposição à música alta, o zumbido deve ser observado com atenção, pois pode indicar danos auditivos preocupantes, especialmente quando o zumbido permanece depois de horas ou mesmo dias após a exposição aos sons altos”, explica.

“É relevante lembrar que o zumbido pode afetar atividades da vida diária, bem como atividades mentais superiores, podendo levar ao isolamento social e até mesmo ao suicídio em casos extremos”

Também existem estudos que associam o zumbido no ouvido ao stress. Sendo que está provado que quanto mais elevado for o nível de stress, maior será a duração do zumbido. O que significa que pessoas que sofrem com stress severo também podem lidar com este problema.

Tratamento

Explica a otorrinolaringologista que o tratamento está sempre dependente da origem do problema. Ainda assim pode passar por alterações na alimentação e nos hábitos. Como é o caso de reduzir a exposição a ruídos altos com origem, por exemplo, na televisão e fones de ouvido. Existe também a possibilidade de a solução passar por medicação e cirurgias. “É relevante lembrar que o zumbido pode afetar atividades da vida diária, bem como atividades mentais superiores, podendo levar ao isolamento social e até mesmo ao suicídio em casos extremos. Pacientes com exposição prolongada a ruídos, como músicos, acabam por ter uma maior predisposição a zumbidos de alta intensidade”, conclui.

Texto: Bruno Seruca

Impala Instagram


RELACIONADOS