Vitória diz que intervenção da PSP junto de adeptos foi “desproporcionada”

O Vitória de Guimarães condenou hoje a intervenção de agentes da PSP junto de adeptos na receção de quinta-feira aos húngaros da Puskás Akadémia, para a Liga Conferência Europa de futebol, classificando-a de “desproporcionada”.

Vitória diz que intervenção da PSP junto de adeptos foi

Vitória diz que intervenção da PSP junto de adeptos foi “desproporcionada”

O Vitória de Guimarães condenou hoje a intervenção de agentes da PSP junto de adeptos na receção de quinta-feira aos húngaros da Puskás Akadémia, para a Liga Conferência Europa de futebol, classificando-a de “desproporcionada”.

Num comunicado hoje emitido no sítio oficial por todos os órgãos sociais, o emblema vimaranense frisou que os desacatos ao intervalo entre a polícia e adeptos localizados num dos setores inferiores da bancada Neno “mancham a imagem e o prestígio do futebol português”, nomeadamente o “apontar de uma ‘shotgun’ por um agente”.

“A intervenção policial completamente desproporcionada no intervalo do jogo entre o Vitória SC e o Puskás Akadémia FC acarreta uma gravidade intolerável, tendo como expoente máximo o apontar de uma ‘shotgun’ aos adeptos vitorianos naquela bancada”, lê-se na nota.

Os órgãos sociais do emblema de Guimarães “condenam a intervenção policial” face à “força da medida totalmente descabida para com os adeptos vitorianos” e pedem “uma mudança de postura e de atuação por parte das forças policiais” em “momentos de tensão”.

Os minhotos lamentaram ainda que a “intervenção policial desmesurada face à gravidade dos acontecimentos prévios” tenha ficado como “imagem” do encontro de quinta-feira, ao invés do “triunfo conquistado dentro de campo” — 3-0, na primeira mão da segunda pré-eliminatória da prova europeia.

Para implementar essas “medidas que projetam a integridade de todos”, o clube da I Liga portuguesa de futebol prometeu solicitar, em articulação com a Câmara Municipal de Guimarães, uma “reunião urgente com o Ministério da Administração Interna, com o secretário de Estado da Juventude e do Desporto e com o “comando local da PSP”.

O clube de Guimarães anunciou também a intenção de trabalhar com a autarquia para “criar maiores condições de segurança no Estádio D. Afonso Henriques e respetiva zona envolvente”.

“O Vitória Sport Clube tem tomado medidas de modo a minimizar a possibilidade de ocorrência destas situações, para que as mesmas não se voltem a repetir, e continuaremos a defender e a fazer os ajustes necessários para que a segurança dos adeptos vitorianos que assistem aos jogos no D. Afonso Henriques esteja sempre salvaguardada”, refere a nota.

Em nota de imprensa, a PSP referiu que “o arremesso de um tubo de uma bandeira para o interior do recinto desportivo”, aquando dos festejos do segundo golo, marcado por Tiago Silva, aos 39 minutos, levou os agentes a dirigirem-se ao local onde estava o adepto responsável, para o identificarem.

O adepto em causa e outros em redor, acrescentou a força de segurança, ofereceram “resistência”, “reagindo violentamente, agredindo e coagindo os polícias”, o que culminou numa “intervenção policial com vista à reposição da ordem”.

A PSP informou ainda que o espetador em causa foi detido, tendo-se depois verificado que “desobedeceu a uma medida restritiva que o impede de frequentar recintos desportivos, decretada pela APCVD (Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto)”.

A receção à Puskás Akádemia foi o primeiro jogo oficial do Vitória de Guimarães na época 2022/23, estando a segunda mão da eliminatória marcada para 28 de julho, na Pancho Arena, em Felcsút, localidade 50 quilómetros a oeste de Budapeste, na Hungria, às 21:00 locais (20:00 de Lisboa).

TYME (AJC/VR) // VR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS