Velocista bielorrussa que foi para a Polónia pede para “deixarem de ter medo”

A velocista bielorrussa que pediu asilo político em plenos Jogos Olímpicos, Krystsina Tsimanouskaya, exorta os seus concidadãos a seguir o seu exemplo e espera que “deixem de ter medo”.

Velocista bielorrussa que foi para a Polónia pede para

Velocista bielorrussa que foi para a Polónia pede para “deixarem de ter medo”

A velocista bielorrussa que pediu asilo político em plenos Jogos Olímpicos, Krystsina Tsimanouskaya, exorta os seus concidadãos a seguir o seu exemplo e espera que “deixem de ter medo”.

Em entrevista à France Presse e a propósito do primeiro aniversário de uma eleição presidencial contestada na Bielorrússia, Tsimanouskaya diz que o seu país “já não é seguro para os próprios cidadãos”.

“As pessoas têm medo de ir a manifestações porque têm medo de ser agredidas, têm medo de acabar na prisão”, explica a atleta de 24 anos, que se asilou na Polónia e deu a entrevista nas intalações da Fundação Bielorussa de Solidariedade Desportiva Pró-Oposição (BSSF).

“Gostava que o meu país fosse livre, gostava que cada cidadão tivesse direito à liberdade de expressão, que todo o mundo pudesse viver uma vida normal e deixe de ter medo”, disse Tsimanouskaya, que assume que gostaria de regressar ao país para junto a família, mas só quando for “seguro e livre”.

Questionada sobre o presidente Aleksandre Lukachenko, que dirige o país de forma autoritária desde 1994, responde que “provavelmente o país só será livre sem ele”.

Durante os Jogos Olímpicos, a atleta desentendeu-se com os treinadores e dirigentes, que acusou de terem tentado levá-la à força para a Bielorrússia.

Temendo ir para a prisão se regressasse, conseguiu ajuda da polícia japonesa e depois um visto humanitário da Polónia.

Na quarta-feira chegou a Varsóvia, via Viena, para se encontrar com o marido, que também consegui um visto da Polónia.

Tsimanouskaya explicou o que a persuadiu a pedir ajuda à polícia, quando já estava a caminho do aeroporto – um telefonema da avó, a dizer-lhe que não devia regressar e que devia fazer tudo para não regressar.

A atleta diz agora que temeu que se regressasse fosse para “uma clínica psiquiátrica ou para a prisão”.

Acusada por Lukachenko de estar “controlada” por Varsóvia, defende-se: “Não é de todo verdade. Fui eu mesma que pedi ajuda, à última hora”.

No seguimento do incidente, dois treinadores bielorrussos viram retirada a acreditação pelo Comité Olímpico Internacional, que iniciou um inquérito ao sucedido.

Tsimanouskaya assegura que há mais pessoas na mesma situação na Bielorrússia, a quem exorta que “juntem coragem suficiente” para deixar o país.

Segundo a BSSF, sete atletas estão na prisão na Bielorrússia, como prisioneiros políticos, e 36 atletas e treinadores foram dispensados das seleções nacionais por opiniões políticas.

Para ajudar a Fundação e os desportistas, Krystsina Tsimanouskaya colocou no eBay a medalha de prata que ganhou nos Jogos Europeus que se realizaram em Minsk em 2019.

Quanto ao seu futuro desportivo, respondeu que tem apoio prometido da Polónia e que espera ser autorizada a correr por outra seleção. “Olho para os próximos Jogos Olímpicos, quero participar”, assumiu.

FB // NFO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS