Treinador quer um Tondela emocionalmente positivo na receção ao Marítimo

O treinador Pako Ayestarán assumiu hoje que o Tondela tem de crescer emocionalmente e, nesse sentido, espera que a sua equipa esteja positiva na receção ao Marítimo, em jogo da 19.ª jornada da I Liga de futebol.

Treinador quer um Tondela emocionalmente positivo na receção ao Marítimo

Treinador quer um Tondela emocionalmente positivo na receção ao Marítimo

O treinador Pako Ayestarán assumiu hoje que o Tondela tem de crescer emocionalmente e, nesse sentido, espera que a sua equipa esteja positiva na receção ao Marítimo, em jogo da 19.ª jornada da I Liga de futebol.

“Neste momento sim, a situação [a melhorar] é mais emocional do que realmente tática. Temos de ser capazes de mudar e, sobretudo, sermos positivos e pensar que não volta a acontecer. Estou convencido que nesta segunda volta vai acontecer menos”, assumiu o técnico espanhol.

Em conferência de imprensa de antevisão ao jogo de terça-feira, pelas 17:45, no Estádio João Cardoso, Pako Ayestarán admitiu que os detalhes têm “feito a diferença”, nomeadamente no comportamento dos jogadores.

“São detalhes muito pontuais e muito individuais, por exemplo, quando é técnico tens de o trabalhar e corrigir ou, às vezes, não estás alinhado naquele momento. Ao nível coletivo, sabemos o que temos de melhorar e temos trabalhado sobre isso e esperamos estar mais alinhados do que anteriormente”, admitiu.

Sobre os comportamentos, o treinador da equipa ‘beirã’ lembrou alguns momentos de jogos anteriores, em que, perante um erro, “o jogo muda” e o resultado acaba por “não ser o esperado, nem o desejado”.

“O mais importante não é quantas vezes caímos, mas sim como nos levantamos e quão rápido o fazemos. É nesse ponto que estamos. Sabemos que vamos ter dificuldades, sabemos que as derrotas geram sempre muita frustração em muitos momentos, mas não nos podemos permitir a nós mesmos que estejamos frustrados e que baixemos os braços”, defendeu.

Neste sentido, disse que “é uma questão de continuar a trabalhar com a mesma responsabilidade, com o mesmo nível de exigência dos treinos, com a mesma solidariedade e, independentemente da frustração e dificuldade, há que ser capazes de digerir esses momentos”.

“Não nos podemos permitir nunca de estar frustrados. Temos de levantar a cabeça e seguir na luta. Em primeiro, e o mais importante, é esquecer o erro que cometeste. É focar a tua atenção na jogada seguinte, porque o passado não existe, já passou, a partir daí é estar conscientes de que foi um erro pontual, individual, e que não volta a acontecer”, avisou.

Sobre o Marítimo, e o facto de vir de quatro derrotas seguidas, Pako Ayestarán avisou que “quando uma equipa está a perder e a perder, está mais perto de ganhar” e, nesse sentido, desejou que esta mudança do adversário não seja na terça-feira.

“Espero que não seja contra nós, porque o Marítimo é uma equipa com um futebol muito positivo, que nos vai dificultar muito as coisas e, se não estivermos ao nosso máximo nível, teremos seguramente dificuldades”, adiantou.

Pako Ayestarán avisou que, “daqui até ao final da época, vai haver muitos confrontos entre as equipas que estão perto”, como é o caso do Marítimo, que contabiliza menos um ponto e, neste sentido, defendeu que “as que tiverem os detalhes mais afinados são as que serão mais capazes de sair de situações mais complicadas”.

O Tondela, 13.º classificado, com 18 pontos, recebe no estádio João Cardoso, pelas 17:45 de terça-feira, o Marítimo, em 14.º, com 17, em jogo a contar para a 19.ª jornada da I Liga de futebol.

IYN // VR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS