Surfista Yolanda Hopkins ‘bisa’ em França e reforça liderança do ‘ranking’ europeu

A portuguesa Yolanda Hopkins conquistou hoje o Pro Anglet, em França, do circuito de qualificação da Liga Mundial de Surf, com Frederico Morais a ser o melhor luso com um nono posto.

Surfista Yolanda Hopkins 'bisa' em França e reforça liderança do 'ranking' europeu

Surfista Yolanda Hopkins ‘bisa’ em França e reforça liderança do ‘ranking’ europeu

A portuguesa Yolanda Hopkins conquistou hoje o Pro Anglet, em França, do circuito de qualificação da Liga Mundial de Surf, com Frederico Morais a ser o melhor luso com um nono posto.

Após ter vencido no Reino Unido há duas semanas, a atleta olímpica portuguesa, atual líder do circuito europeu (QS), fez 11,17 pontos (em 20 possíveis) nas suas duas melhores ondas da final, batendo a rival espanhola Ariane Ochoa (9,24), atual vice-líder do ‘ranking’, tirando o máximo proveito das condições difíceis do mar.

Depois da vitória em Newquay, no Reino Unido, Yolanda, 24 anos, ‘bisou’ nas ondas do sudoeste francês, e tem a qualificação para as Challenger Series (CT) 2023, competição de acesso à elite mundial, praticamente ‘carimbada’, após quatro provas realizadas, com 5.150 pontos, mais 1.660 do que a mais direta perseguidora.

Em Anglet, destaque ainda para o quinto posto final de Mafalda Lopes e Carolina Mendes, enquanto Teresa Bonvalot e Kika Veselko terminaram no nono lugar, e Gabriela Dinis no 13.º.

Após esta etapa, Portugal tem seis surfistas no ‘top 20’ do ‘ranking’ feminino europeu, sendo que, além da líder destacada Yolanda Hopkins, conta ainda com o terceiro posto de Kika Veselko, o quinto de Carolina Mendes e o oitavo de Mafalda Lopes.

A fechar o ‘top 20’, e mais longe das contas da qualificação, surge a júnior Gabriela Dinis.

No 12.º posto do ‘ranking’ surge a campeã europeia em título Teresa Bonvalot, que, “apesar de estar fora dos lugares de qualificação, está ‘escudada’ pelo facto de estar em boa posição no ranking das Challenger Series 2022 para se tornar na primeira portuguesa da história a conseguir a qualificação para o circuito mundial de surf da World Surf League”, destacou em comunicado a Associação Nacional de Surfistas (ANS).

Atualmente no oitavo posto de um ‘ranking’ que apura o ‘top 5’ para o circuito de elite de 2023, “mesmo que Teresa não consiga essa tão sonhada qualificação para a elite mundial, deverá conseguir uma vaga automática para as Challenger Series 2023, por ser a melhor europeia e uma das melhores do ‘ranking’ da presente temporada”, assinalou a entidade.

Do lado masculino, onde o vencedor foi o francês Gatien Delahaye, Frederico Morais terminou como o melhor português no Pro Anglet, ao conseguir a nona posição final, enquanto o júnior Matias Canhoto, de apenas 14 anos, foi a grande sensação da prova francesa, depois de ter conseguido ficar no 13.º posto.

Em termos de ‘ranking’, Guilherme Ribeiro, que na semana passada venceu o Lacanau Pro (França), surge como o melhor português, ao ocupar o 11.º lugar.

Apesar de estar fora do ‘cut’ de qualificação para as Challenger Series de 2023, o atual líder da hierarquia nacional está dentro da luta pela qualificação.

Mais longe, no 23.º posto, surge Frederico Morais, enquanto Afonso Antunes é 27.º posicionado, Francisco Almeida 29.º e Matias Canhoto 31.º.

A ação no QS europeu 2022/23 prossegue em outubro, com os Açores a receberem os melhores surfistas europeus de 18 a 23 desse mês.

A prova açoriana será a última do ano civil no QS europeu, mas a temporada irá continuar na primeira metade do próximo ano, quando acontecerão os derradeiros campeonatos que vão definir os surfistas qualificados para as Challenger Series 2023.

“Entre esses campeonatos deverão continuar a realizar-se dois em Portugal, um na Costa de Caparica e outro exclusivamente masculino em Santa Cruz”, sublinhou a ANS.

DN // MO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS