Rúben Amorim diz que “vitórias seguidas não interessam para nada”

Rúben Amorim disse hoje que, ao contrário da conquista da Taça da Liga, igualar a melhor série vitoriosa do Sporting de Braga diante do Gil Vicente, sábado, na 20.ª jornada da I Liga de futebol, “não interessa nada”.

Rúben Amorim diz que

Rúben Amorim diz que “vitórias seguidas não interessam para nada”

Rúben Amorim disse hoje que, ao contrário da conquista da Taça da Liga, igualar a melhor série vitoriosa do Sporting de Braga diante do Gil Vicente, sábado, na 20.ª jornada da I Liga de futebol, “não interessa nada”.

Se vencer no sábado o Gil Vicente, Rúben Amorim (com a contribuição de Ricardo Sá Pinto na primeira vitória da série) iguala o recorde de nove triunfos seguidos alcançado em 2011/12, por Leonardo Jardim, mas o técnico retira importância ao facto.

“A vitória na Taça da Liga tem um significado especial porque é um título, mas se, por exemplo, vencermos nove vezes seguidas no campeonato, podemos espremê-las e não sair nada, é um recorde que não conta para nada, porque não atingimos objetivos”, disse.

O técnico dos minhotos prosseguiu: “Se ganhamos para a semana, mas perdemos para a outra, e os nossos rivais ultrapassam-nos, ficamos com um recorde que não me diz nada, nem ao clube, nem aos jogadores. Queremos ganhar para cimentar a nossa posição e fugir aos que estão atrás de nós”.

Rúben Amorim, que não quer os jogadores a pensarem nisso, porque “vão perder o foco e ficar assoberbados com o calendário e com a atenção das pessoas”, considera que os maiores “perigos” do Gil Vicente vêm da qualidade da equipa e do seu treinador, Vítor Oliveira.

“Vêm de uma derrota pesada [5-1 com o Moreirense, em casa] o que torna a equipa ainda mais perigosa. Dissemos aos jogadores que o Gil Vicente é uma equipa muito perigosa e que ia sentir-se confortável com o facto de nós irmos assumir o jogo”, afirmou.

O treinador avançou ainda não haver qualquer “segredo” para a boa assimilação do esquema tático que implementou na equipa (3x4x3).

“Vi o plantel que tínhamos e o estilo de jogadores que havia. O modelo que conhecia melhor era aquele e tentei ver se os jogadores encaixavam. Passei muito tempo a ver as falhas e as forças que o modelo tinha e tem, foi mais fácil porque tinha a certeza de todos os movimentos que queria, a atacar e a defender”, explicou.

O mau estado do relvado do Estádio Municipal de Braga, que levou mesmo a Liga a incluir o clube na lista dos que não podem treinar no próprio estádio, preocupa o treinador, porque “o estilo de jogo da equipa fica um pouco prejudicado”, mas o Gil Vicente “também quer jogar”.

Há quatro jogadores a um amarelo de falharem o próximo jogo, com o Benfica, nomeadamente Sequeira, Bruno Viana, Bruno Wilson e Palhinha, mas o técnico revelou que vão jogar os quatro porque “o jogo mais importante é com o Gil Vicente”.

“Se levarem cartões amarelos, há outros jogadores para jogar, temos é que ganhar ao Gil Vicente”, disse.

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, garantiu hoje, numa entrevista ao jornal Record, que, findo o empréstimo aos bracarenses, Palhinha vai regressar à equipa ‘leonina’ no próximo ano, algo que está longe das preocupações de Rúben Amorim.

“A parte boa dessa comunicação é que o presidente do Sporting disse que é para o ano. Como o meu foco é no Gil Vicente, sei que ele vai jogar e estou feliz da vida. Eu nem penso na semana seguinte, quanto mais no próximo ano”, disse.

Sporting de Braga, terceiro classificado, com 33 pontos, e Gil Vicente, 12.º, com 22, defrontam-se a partir das 18:00 de sábado, no Estádio Municipal de Braga.

GYS // PFO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS