Profissionais de saúde acusados pela morte de Maradona

Médicos e enfermeiros acusados de «homicídio simples com dolo eventual». Penas podem ir de oito a 25 anos e os acusados estão proibidos de deixar o país.

Profissionais de saúde acusados pela morte de Maradona

Profissionais de saúde acusados pela morte de Maradona

Médicos e enfermeiros acusados de «homicídio simples com dolo eventual». Penas podem ir de oito a 25 anos e os acusados estão proibidos de deixar o país.

A justiça argentina acusou sete profissionais de saúde no âmbito da investigação à morte de Diego Armando Maradona, que aconteceu no dia 25 de novembro do ano passado. O craque argentino tinha 60 anos.

De acordo com a agência EFE, os acusados já foram notificados para prestarem declarações em sede de inquérito e estão proibidos de abandonar o país.

Além do neurocirurgião Leopoldo Luque e da psiquiatra Agustina Cosachov, os outros acusados são os enfermeiros Ricardo Omar Almirón e Dahiana Gisela Madrid, o coordenador dos enfermeiros, Mariano Perroni, a médica que coordenava a equipa que cuidou do futebolista, Nancy Forlini e o psicólogo Carlos Ángel Díaz. Todos eles acompanharam o astro argentino durante os últimos dias de vida.

O Procurador Geral, John Broyad, começou por tratar este caso como um “homicídio negligente“, mas acabou por alterá-lo para um de “homicídio simples com dolo eventual”, depois das conclusões apresentadas pela Junta Médica, no passado dia 3 de maio.

Caso sejam condenados, incorrem numa pena de oito a 25 anos de prisão por “homicídio simples com dolo eventual“.

LEIA AINDA
Diego Maradona alimentava 50 famílias em segredo
Diego Maradona alimentava 50 famílias em segredo
Só após a morte do astro argentino, ficou a saber-se que que Diego Maradona ajudava 50 famílias. A informação partiu do conceituado apresentador Jorge Rial. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS