Preparação em câmara térmica fundamental na prestação de João Vieira nos Mundiais

A preparação de João Vieira na câmara térmica do Laboratório de Aerodinâmica da Universidade de Coimbra foi fundamental para a conquista da medalha de prata nos 50km marcha nos Mundiais.

Preparação em câmara térmica fundamental na prestação de João Vieira nos Mundiais

Preparação em câmara térmica fundamental na prestação de João Vieira nos Mundiais

A preparação de João Vieira na câmara térmica do Laboratório de Aerodinâmica da Universidade de Coimbra foi fundamental para a conquista da medalha de prata nos 50km marcha nos Mundiais.

Coimbra, 06 nov 2019 (Lusa) – A preparação do marchador João Vieira na câmara térmica do Laboratório de Aerodinâmica Industrial da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra foi fundamental para a conquista da medalha de prata nos 50km marcha nos Mundiais.

O atleta português, de 43 anos, sagrou-se vice-campeão do mundo em Doha, no Qatar, no dia 29 de setembro, naquele que foi o seu melhor resultado de sempre em Mundiais.

“Este foi o primeiro ano que fiz câmara térmica em três períodos de cinco dias, consoante o planeamento da treinadora, e isso foi fundamental para o meu sucesso naquela competição”, disse à agência Lusa o marchador, que cometeu a proeza de ser o mais velho atleta a ganhar uma medalha em Mundiais de atletismo, todas as provas incluídas.

João Vieira efetuou a adaptação ao clima de Doha, “que era bastante adverso para todos os atletas”, na sala térmica do Laboratório de Aerodinâmica Industrial, coordenada pelo fisiologista e investigador Amândio Santos.

“Achamos que [a aclimatação] foi fundamental na preparação para enfrentar a dura competição de 50 km e estou grato por ter treinado dentro desta sala, com muito sofrimento e muito suor, mas chegámos a Doha e estávamos melhor adaptados àquele clima”, sublinhou.

O marchador salientou que, em Doha, os atletas foram confrontados com as altas temperaturas e o horário da competição (disputada à noite), “mas tudo foi estudado em Portugal” e, por isso, quando lá chegou “já estava totalmente adaptado e foi só corrigir alguns erros” que foram sido descobertos nos dias antes da competição.

Para os Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, João Vieira vai voltar a preparar-se na câmara térmica do Laboratório de Aerodinâmica Industrial, em Coimbra.

“Está tudo alinhavado para vir aqui fazer aqui a preparação para os Jogos Olímpicos. É só fazer o planeamento para vir cá no próximo ano três ou quatro vezes para me poder adaptar melhor à competição”, disse o marchador de Rio Maior.

AMV // NFO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS