Mundial2022: Amnistia Internacional desafia FIFA a liderar causa LGBTI

A Amnistia Internacional (AI) considerou hoje que a FIFA devia “tomar medidas proativas” na proteção das pessoas LGBTQ+ ao invés de ameaçar sanções aos futebolistas que defendam esta causa.

Mundial2022: Amnistia Internacional desafia FIFA a liderar causa LGBTI

Mundial2022: Amnistia Internacional desafia FIFA a liderar causa LGBTI

A Amnistia Internacional (AI) considerou hoje que a FIFA devia “tomar medidas proativas” na proteção das pessoas LGBTQ+ ao invés de ameaçar sanções aos futebolistas que defendam esta causa.

“(A FIFA) Deve não apenas encorajar mensagens de igualdade, mas também tomar medidas proativas para garantir que as pessoas LGBTQ+ sejam protegidas”, vincou Steve Cockburn, diretor de justiça económica e social da Amnistia Internacional.

Em causa as ameaças da FIFA a jogadores e seleções pela intenção de usarem braçadeiras ‘One Love’ (‘um amor’), uma mensagem de apoio para a comunidade LGBTQ+, com a AI a entender que o organismo que rege o futebol mundial está a falhar na defesa dos direitos humanos e da igualdade.

Hoje mesmo, a FIFA comunicou que adiantará a campanha “Não à discriminação”, prevista a partir dos quartos de final do Mundial2022, a fim de permitir que os 32 capitães das seleções possam usar essa braçadeira durante o torneio.

O organismo máximo do futebol mundial antecipou a sua intenção, explicando que a mesma está em consonância com os regulamentos de equipamentos da FIFA, que estipulam que cada capitão usará a braçadeira por si homologada

A polémica das braçadeiras ganhou relevância quando sete federações europeias — nas quais não se incluia a portuguesa – se uniram no sentido de utilizar uma braçadeira com a inscrição ‘One Love’ (um amor), em alusão à igualdade, mas que a FIFA avisou não ser possível, falando mesmo de sanções.

“Ameaças de última hora para punir jogadores por usarem mensagens de apoio aos direitos humanos e à igualdade é o exemplo mais recente da FIFA, que falha na defesa plena dos seus próprios valores e responsabilidades. O desporto não acontece no vácuo e essas são questões nas quais a FIFA deveria liderar, não reprimir”, criticou o responsável da AI.

De igual modo, reforçou a ideia de que acordos sobre braçadeiras e melhores proteções para as comunidades LGBTQ+ “deveriam ter sido alcançados há muito tempo”.

“Aplaudimos a coragem das equipes e jogadores que se manifestaram sobre os direitos humanos e esperamos que continuem a fazê-lo. Adeptos, jogadores e federações querem garantir que o futebol seja um veículo para promover os direitos humanos, e a FIFA precisa atender a esses apelos rapidamente”, reforçou.

Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Países Baixos e Suíça dispensaram os seus capitães do uso da braçadeira, face à possibilidade de serem penalizados, mas referiram estar “frustrados” com a inflexibilidade demonstrada pela FIFA.

Steve Cockburn deixou ainda uma palavra para os trabalhadores migrantes “que tornaram o torneio possível”, recordando que estes “devem ser totalmente compensados pelos abusos indescritíveis que sofreram”.

RBA/RPM // VR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS