Ministério Público toma nova decisão sobre pena de Bruno de Carvalho

O Ministério Público vai aceitar a decisão do juiz Carlos Delca e não vai recorrer da medida de caução decretada a Bruno de Carvalho e Nuno Vieira Mendes.

Ministério Público toma nova decisão sobre pena de Bruno de Carvalho

Ministério Público toma nova decisão sobre pena de Bruno de Carvalho

O Ministério Público vai aceitar a decisão do juiz Carlos Delca e não vai recorrer da medida de caução decretada a Bruno de Carvalho e Nuno Vieira Mendes.

A procuradora do Ministério Público Cândida Vilar desistiu da prisão preventiva para ex-presidente do Sporting Clube de Portugal e para Nuno Vieira Mendes, mais conhecido por Mustafá e actual líder da claque da Juventude Leonina.

No despacho final de acusação, emitido esta sexta-feira, dia 15 de novembro, e ao qual o nosso site teve acesso, Cândida Vilar deixou de fora do pedido de prisão preventiva seis nomes ligados à acusação, entre os quais os dois arguidos detidos no passado domingo, dia 11 de novembro.

LEIA MAIS: Plano de ataque à Academia envolvia caçadeiras para «arrancar cabeças» aos jogadores

Ministério Público aceitou decisão judicial

«Relativamente aos arguidos Tiago Rodrigues, Samuel Teixeira, Tomas Fernandes, Guilherme Oliveira, Nuno Mendes e Bruno de Carvalho promovo que aguardem os ulteriores termos do processo na situação em que se encontram». Esta foi a decisão que a procuradora Cândida Vilar tomou e que pode ser consultada no despacho final de acusação emitido ontem.

LEIA MAIS: ÚLTIMA HORA: Rosa Cruz condenada a 5 anos de prisão por esconder filha na mala do carro

Bruno em casa e afastado do mundo

Depois de conhecer na manhã de quinta-feira a decisão do juiz de instrução criminal Carlos Delca, Bruno de Carvalho rumou à sua casa no Lumiar onde pediu aos jornalistas que o deixassem em paz e revelando que «sempre que quiser dar uma declaração digo-vos. É o melhor para todos e para a minha família que não merece este aparato à frente da minha casa».

O ex-presidente do Sporting CP afirmou também que saiu do posto de comando territorial da GNR, em Alcochete, uma pessoa diferente «Não sei se melhor ou pior, mas diferente», e alegando que «só quem passa por isso percebe o quão diferente é um ser humano quando se é privado de coisas básicas como um duche».

Texto: Vítor Miguel Gonçalves | WIN

Impala Instagram


RELACIONADOS