Jesus tem “vontade de rir” com notícias de jogadores insatisfeitos no Benfica

O treinador Jorge Jesus disse hoje que as notícias sobre futebolistas insatisfeitos por serem pouco utilizados no Benfica dão “vontade de rir”, mas advertiu que “é normal” uns jogadores jogarem mais do que outros nas equipas grandes.

Jesus tem

Jesus tem “vontade de rir” com notícias de jogadores insatisfeitos no Benfica

O treinador Jorge Jesus disse hoje que as notícias sobre futebolistas insatisfeitos por serem pouco utilizados no Benfica dão “vontade de rir”, mas advertiu que “é normal” uns jogadores jogarem mais do que outros nas equipas grandes.

Questionado sobre a alegada vontade de deixar o clube no final da época da parte de alguns atletas, nomeadamente Pizzi e Vlachodimos, o técnico lembrou que o ‘capitão’ “só não jogou três ou quatro jogos por problemas de covid-19” e admitiu que a posição do guarda-redes é “mais sensível”, mas frisou que quem não quer ter “esse problema” não pode jogar “nas grandes equipas do mundo”.

“Se queres jogar todos os domingos tens de jogar numa equipa do meio da tabela para baixo e aí tens, se calhar, um nível de jogo em que todos os jogos tu jogas. Se tens um nível alto e queres jogar numa equipa alta, que é o caso, onde há muita concorrência, isso em todas as equipas grandes é assim”, atirou o técnico em conferência de imprensa.

O técnico compareceu no auditório do Seixal para antever o encontro de sábado frente ao Boavista, adversário que na primeira volta, na sexta jornada, travou a série de cinco vitórias consecutivas dos ‘encarnados’ no arranque do campeonato com um expressivo triunfo, por 3-0, no Estádio do Bessa.

No sábado, admitiu Jorge Jesus, tudo será completamente diferente, embora o técnico não tenha “dúvidas nenhumas” de que vai ser “um jogo complicado para o Benfica”.

“O próprio sistema não é igual àquilo que o Boavista usa nestes jogos, o treinador [Jesualdo Ferreira] é diferente, com uma ideia de jogo completamente diferente daquela de quando jogámos no Bessa. Tenho a certeza que nada é igual e não há comparações possíveis com o jogo da primeira volta, dentro do que é a estratégia de jogo, ideia e metodologia do treinador”, analisou.

Certo é que, tal como na primeira volta, o encontro será disputado num estádio vazio, devido à pandemia de covid-19, um cenário que parece estar próximo de mudar brevemente, após o plano de desconfinamento apresentado na quinta-feira pelo Governo prever, para abril, o regresso de eventos ao ar livre com limitação de público.

Para Jorge Jesus, essa é “uma das melhores notícias” que todo o futebol português teve, e “particularmente o Benfica”.

“[O público] é o 12.º jogador. Sabemos que se abrir na data que estão a dizer, nesses jogos não vai estar o estádio cheio, mas por muito [poucas] pessoas que possam ir, para nós será sempre como se o estádio estivesse lotado, porque já não estamos habituados ao calor do público, ao carinho do público, e isso tem prejuízos para equipas como o Benfica, que tem uma massa associativa que é a maior em Portugal”, comentou.

O encontro com o Boavista, da 23.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, tem início às 18:00 de sábado, no Estádio da Luz, com a presença garantida de Darwin Núñez e Jan Vertonghen, que Jesus garantiu que “vão ser convocados”, após terem recuperado de lesões.

Menos certa é a chamada de ambos os jogadores ao jogo, até porque o avançado uruguaio “baixou um pouco” o nível em relação ao início da época e o defesa-central belga viu Lucas Veríssimo ocupar o seu lugar e fazer uma “dupla forte” com Otamendi, pelo que “vai ter de recuperar o espaço dele”, avisou Jesus.

O Benfica procura a terceira vitória consecutiva no campeonato, onde soma 45 pontos, para manter-se na perseguição ao ‘trio’ da frente, composto por Sporting (58), Sporting de Braga (49) e FC Porto (48).

 

SYL // VR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS