Froome está “livre” das lesões e parte à descoberta do desconhecido no Tour

Chris Froome parte à descoberta do desconhecido na 109.ª Volta a França em bicicleta, com o tetracampeão a dizer-se hoje finalmente livre das mazelas da grave queda que sofreu há três anos.

Froome está

Froome está “livre” das lesões e parte à descoberta do desconhecido no Tour

Chris Froome parte à descoberta do desconhecido na 109.ª Volta a França em bicicleta, com o tetracampeão a dizer-se hoje finalmente livre das mazelas da grave queda que sofreu há três anos.

“Chego um pouco à descoberta. Darei o meu melhor para ajudar a equipa e se isso significar ir à procura de uma vitória de etapa, tentarei fazê-lo”, disse o veterano da Israel-Premier Tech.

Para alguém que foi quatro vezes campeão do Tour (2013, 2015, 2016 e 2017), uma vez ‘vice’ (2012) e outra terceiro (2018), ganhou sete etapas e a camisola da montanha (2015), os objetivos parecem demasiados modestos, mas o britânico de 37 anos, nascido no Quénia, está ciente de que a queda que sofreu durante o reconhecimento do contrarrelógio do Critério do Dauphiné em junho de 2019 mudou o seu destino.

“É um feito enorme regressar à competição depois daquela queda péssima. Só nos últimos meses, durante a preparação para o Tour, é que me senti livre de todos os problemas”, declarou, em conferência de imprensa.

‘Froomey’ assume estar “impaciente para desfrutar de todas as oportunidades e de ver até onde as pernas chegam ao longo das próximas três semanas”.

“Ao longo dos últimos 12 meses, não superei mal os obstáculos, mas tenho a impressão que, entre janeiro e agora, estou numa trajetória ascendente”, reconheceu, ressalvando que quer ir “dia a dia” e que o verdadeiro teste à sua condição física chegará nas montanhas.

Após a grave queda no Dauphiné, em que fraturou o fémur, o cotovelo direito e várias costelas, Froome nunca voltou a demonstrar a qualidade que exibiu durante oito anos no pelotão, sendo o melhor corredor da sua geração.

Além das vitórias no Tour, ganhou duas Voltas a Espanha (2011 e 2017) e um Giro (2018), sendo um dos sete ciclistas da história a vencer as três grandes Voltas e um dos dois ainda em atividade (o outro é Vincenzo Nibali, que se despede do pelotão no final da temporada).

A 109.ª Volta a França arranca na sexta-feira em Copenhaga, na Dinamarca, e termina em 24 de julho, em Paris, onde será consagrado o sucessor do esloveno Tadej Pogacar, vencedor das últimas duas edições.

AMG // NFO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS