APCVD lembra que promotores de espetáculos têm de zelar pela segurança de todos

A Autoridade para o Combate à Violência no Desporto considerou hoje que os promotores de espetáculos devem zelar pela segurança dos adeptos, e que o acesso aos recintos não pode estar condicionado ao uso de determinadas peças de vestuário.

APCVD lembra que promotores de espetáculos têm de zelar pela segurança de todos

APCVD lembra que promotores de espetáculos têm de zelar pela segurança de todos

A Autoridade para o Combate à Violência no Desporto considerou hoje que os promotores de espetáculos devem zelar pela segurança dos adeptos, e que o acesso aos recintos não pode estar condicionado ao uso de determinadas peças de vestuário.

“Devem os promotores dos espetáculos desportivos zelar pela compatibilização e equilíbrio das componentes ‘Segurança’, ‘Proteção’ e ‘Serviços’ , bem como pela facilitação de adequadas condições de hospitalidade e fruição do espetáculo desportivo no acolhimento dos adeptos visitados/locais e visitantes”, refere a Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto (APCVD), numa nota informativa divulgada hoje.

Poucos dias depois de uma criança ter sido obrigada a despir uma camisola do Benfica, no estádio Municipal de Famalicão, a APCVD refere que “o mero envergamento de peças de vestuário, que se sublinha terem natureza diferente de meros adereços, e desde que não contenham símbolos, sinais ou mensagens ofensivas, violentas, intolerantes, de caráter racista ou xenófobo, não deverá ser condicionante ao acesso e permanência dos seus portadores”.

“De igual forma, não se considera que a sua remoção seja, por si, suficiente para garantir a segurança dos adeptos visados”, acrescenta o organismo, numa aparente reação ao facto de a criança ter sido obrigada a assistir ao Famalicão-Benfica, da I Liga de futebol, em tronco nu.

A APCVD defende que “perante a necessidade de deslocar adeptos para outras zonas ou setores por questões de segurança, deverá ser avaliada primariamente a possibilidade de acomodar tais adeptos (do clube visitado ou visitante) junto das respetivas zonas no recinto desportivo”.

O incidente, ocorrido no sábado, já foi repudiado pelo secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, e também por Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), organismo que já fez saber que irá debater o caso.

AO (JP) // AMG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS