Sporting diz que «não se revê em atos que desvirtuem a verdade desportiva»

Sporting diz que «não se revê em atos que desvirtuem a verdade desportiva»

Sporting disse que “não se revê em atos que desvirtuem a verdade desportiva” e mostrou disponibilidade em colaborar com a investigação sobre viciação de resultados de andebol e futebol.

Sporting disse que “não se revê em atos que desvirtuem a verdade desportiva” e mostrou total disponibilidade em colaborar com a investigação sobre viciação de resultados de andebol e futebol que visa elementos ligados ao clube.

LEIA MAIS: Bruno de Carvalho disse que deixava clube se sentisse que estaria a comprometer o clube, vídeo

“No que respeita às diligências levadas a cabo hoje pela Polícia Judiciária, nas instalações do Sporting CP, reafirmamos a nossa total disponibilidade em colaborar com a investigação para que se possa apurar toda a verdade. O Sporting CP pauta a sua atuação pelo respeito pela legalidade, transparência e lisura de todos os seus atos”, lê-se em comunicado da direção do Sporting e da administração da SAD, que hoje estiveram reunidas.

Os dirigentes dizem que vão aguardar “serenamente o desenvolvimento da investigação, salientando, no entanto, que a presunção de inocência é um direito elementar que assiste a qualquer cidadão, sendo pedra basilar do Estado de Direito”.

“Queremos manifestar a nossa solidariedade aos colaboradores envolvidos e reiterar o nosso apoio às equipas de andebol e futebol que venceram os seus jogos com profissionalismo, atitude e compromisso”, acrescenta o Sporting.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve hoje quatro pessoas, incluindo o diretor para o futebol do Sporting, André Geraldes, e efetuou buscas na SAD do Sporting, em Lisboa, por “suspeitas de corrupção ativa”, no âmbito de uma operação denominada ‘Cashball’.

Em comunicado, o Sporting também confirmou a realização de buscas em instalações do clube e indica que dois colaboradores seus foram constituídos arguidos.

A investigação da PJ levou à detenção do ‘team manager’ do clube, André Geraldes, e também de Paulo Silva, suposto intermediário em casos de alegada corrupção em jogos de andebol e de futebol, e de João Gonçalves e Gonçalo Rodrigues, funcionário do clube.

LEIA TAMBÉM: Direção pede Assembleia-Geral extraordinária

Segundo o Correio da Manhã, a investigação do Ministério Público incide sobre vários jogos de futebol, nomeadamente o da terceira jornada da I Liga desta época, entre o Vitória de Guimarães e o Sporting, que os ‘leões’ venceram por 5-0.

O CM cita conversações que alegadamente implicam o defesa João Aurélio, jogador do Vitória que terá sido aliciado para facilitar o triunfo do clube lisboeta.

Além deste, estarão também em causa os restantes cinco jogos do Sporting nas seis primeiras jornadas na presente época da I Liga, com Desportivo das Aves, Vitória de Setúbal, Estoril Praia, Feirense e Tondela.

Os arguidos deste caso estão detidos nas instalações da PJ do Porto e deverão ser ouvidos na quinta-feira no tribunal de instrução criminal.

VEJA AINDA: Cube dos verdes e brancos comunica que não há pedidos de rescisão de jogadores nem suspensões

 

 


RELACIONADOS

Sporting diz que «não se revê em atos que desvirtuem a verdade desportiva»

Sporting disse que “não se revê em atos que desvirtuem a verdade desportiva” e mostrou disponibilidade em colaborar com a investigação sobre viciação de resultados de andebol e futebol.