Impala

Síria: Número de mortos em bombardeamento em Al Bab sobe para 95

O número de mortos causado pelos bombardeamentos da Turquia desde quinta-feira à cidade síria de Al Bab (norte), controlada pelo grupo extremista Estado Islâmico, ascende a 95, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Cairo, 24 dez (Lusa) – O número de mortos causado pelos bombardeamentos da Turquia desde quinta-feira à cidade síria de Al Bab (norte), controlada pelo grupo extremista Estado Islâmico, ascende a 95, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).


Entre as vítimas mortais figuram 26 crianças e 13 mulheres, segundo um comunicado do OSDH divulgado na sexta-feira à noite.


A mesma organização não-governamental indicou que o número de vítimas pode ainda aumentar porque há muitos feridos em estado crítico e pessoas presas nos escombros. Um balanço anterior dava conta de 88 mortos.


Este é o maior massacre cometido pela aviação turca em território sírio desde o início da intervenção militar no país, em agosto, refere a agência Efe.


Os ataques tiveram lugar depois de na quarta-feira passada 14 soldados turcos terem sido mortos e 33 ficado feridos em ataques dos extremistas às tropas turcas que apoiam os rebeldes sírios, nas proximidades de Al Bab, segundo dados divulgados por Ancara.


A Turquia reconheceu que desde o início da sua ofensiva na Síria os combates provocaram a morte de 37 soldados turcos.


O ministro turco da Defesa, Fikri Isik, admitiu na sexta-feira que o Estado Islâmico tem prisioneiros três militares turcos.


Essa confirmação surge depois de o grupo terrorista ter divulgado um vídeo em que afirma ter queimado vivos dois soldados turcos na Síria, mas Ancara não deu credibilidade a essa gravação.



EO // ZO


Lusa/fim


RELACIONADOS

Síria: Número de mortos em bombardeamento em Al Bab sobe para 95

O número de mortos causado pelos bombardeamentos da Turquia desde quinta-feira à cidade síria de Al Bab (norte), controlada pelo grupo extremista Estado Islâmico, ascende a 95, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).