Número de internados devido ao surto de ‘legionella’ no Grande Porto diminui para 14

O número de internados nos hospitais do Grande Porto devido ao surto de ‘legionella’, que atinge os concelhos de Matosinhos, Vila do Conde e Póvoa de Varzim, diminuiu hoje para 14, após três pessoas terem recuperado da doença.

Número de internados devido ao surto de 'legionella' no Grande Porto diminui para 14

Número de internados devido ao surto de ‘legionella’ no Grande Porto diminui para 14

O número de internados nos hospitais do Grande Porto devido ao surto de ‘legionella’, que atinge os concelhos de Matosinhos, Vila do Conde e Póvoa de Varzim, diminuiu hoje para 14, após três pessoas terem recuperado da doença.

Segundo fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte), as três altas verificaram-se no Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde, que passa a ter apenas um doente com ‘legionella’ a requerer cuidados na unidade.

Também hoje, e pelo segundo dia consecutivo, não houve um aumento no número global de casos diagnosticados, que estabilizou nos 85, tal como o número mortes por complicações associadas à doença, que se mantém em nove.

No Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, que recebeu a maior parte dos pacientes, e onde se registaram sete óbitos, continuam internadas 10 pessoas, enquanto no Hospital de São João, no Porto, que prestou assistência a 10 pessoas com ‘legionella’, mantém-se três pessoas a receber assistência.

Assim, no balanço global divulgado hoje pela ARS-Norte, 85 pessoas foram diagnosticadas com a doença, desde 29 de outubro, das quais 14 continuam internadas e nove morreram.

A origem do surto continua por detetar, mas ARS-Norte divulgou, na terça-feira, que, “como medida cautelar, a Autoridade de Saúde da ULS de Matosinhos procedeu à suspensão do funcionamento das torres de refrigeração de duas indústrias, localizadas no concelho de Matosinhos”.

A empresa de produtos lácteos LongaVida, em Matosinhos, confirmou, quarta-feira, que foi uma das empresas a ter desligado as suas torres de refrigeração “a título preventivo” e aguarda os resultados de novas análises.

Já a conserveira Ramirez, também no concelho de Matosinhos, outra das empresas que recebeu ordem para suspender o equipamento, anunciou quinta-feira que os testes realizados à torre de arrefecimento deram negativos, e reativou a infraestrutura.

Hoje, o Mar Shopping, também em Matosinhos, divulgou que as análises feitas à presença de ‘legionella’ na torre de refrigeração do centro comercial “tiveram um resultado negativo”.

“Esta conclusão vem confirmar o resultado da análise realizada por uma empresa externa certificada para o efeito, a que o MAR Shopping Matosinhos recorre para uma monitorização mensal dos seus pontos de água, a última das quais realizada a 13 de novembro”, divulgou em comunicado a superfície comercial.

A Câmara Municipal de Matosinhos garantiu estar a “acompanhar de perto e com preocupação o desenvolvimento do surto”, considerando que, “independentemente do concelho onde se situem as instalações, o importante é que o foco tenha sido identificado e que esta situação possa, em breve, ser ultrapassada”.

Na semana passada, o Ministério Público anunciou a abertura de um inquérito para investigar as causas do surto.

A doença do legionário, provocada pela bactéria ‘Legionella pneumophila’, contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

JPYG // JAP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS