Impala

Trabalhadores da segurança privada fazem greve no fim-de-semana

Os trabalhadores do setor da segurança privada vão estar em greve no último dia deste ano e no dia de ano novo, em defesa de aumentos salariais e de melhores condições de trabalho, foi hoje anunciado.

Lisboa, 29 dez (Lusa) – Os trabalhadores do setor da segurança privada vão estar em greve no último dia deste ano e no dia de ano novo, em defesa de aumentos salariais e de melhores condições de trabalho, foi hoje anunciado.


Segundo o Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância e Atividades Diversas (STAD), a paralisação nacional do próximo fim-de-semana tem como objetivo “combater o boicote do patronato à revisão do contrato coletivo de trabalho do setor da vigilância privada”.


“Existe um grande descontentamento entre os trabalhadores do setor, que tem como salário de referência 641,93 euros, e acreditamos que isso se vai refletir no resultado desta greve”, disse à agência Lusa Rui Tomé, dirigente do STAD.


O sindicalista estimou que a paralisação tenha maior impacto nos serviços prestados em portarias de empresas e possa afetar também os serviços prestados nos aeroportos.


Os seguranças e vigilantes fizeram uma greve nacional no final de outubro e várias concentrações e manifestações ao longo do ano contra “o bloqueio negocial, que tem mantido os salários sem aumento desde 2011”.


“Estamos abertos à negociação, que pretendemos retomar após a greve, e poderíamos discutir o aumento de 1,5% proposto pelas empresas desde que isso não implicasse perdas de direitos para os trabalhadores”, disse Rui Tomé.


Os 35.000 trabalhadores do setor da vigilância privada asseguram a segurança em empresas privadas, como fábricas, escritórios e centros comerciais, e serviços públicos, como aeroportos, hospitais, transportes e ministérios.



RRA// ATR


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Trabalhadores da segurança privada fazem greve no fim-de-semana

Os trabalhadores do setor da segurança privada vão estar em greve no último dia deste ano e no dia de ano novo, em defesa de aumentos salariais e de melhores condições de trabalho, foi hoje anunciado.