Sindicatos reúnem-se em abril em Lisboa para discutir greve europeia na Ryanair
Impala

Sindicatos reúnem-se em abril em Lisboa para discutir greve europeia na Ryanair

Os sindicatos europeus dos tripulantes de cabine da Ryanair vão reunir-se para discutir uma greve conjunta, que poderá ser em maio, se a transportadora aérea não mudar a sua postura.

Os sindicatos europeus dos tripulantes de cabine da Ryanair vão reunir-se no próximo dia 24 em Lisboa para discutir uma greve conjunta, que poderá ser em maio, se a transportadora aérea não mudar a sua postura, segundo o SNPVAC.

LEIA MAIS: Ryanair pode incorrer em processo contraordenacional e em crime

Em declarações à agência Lusa, Bruno Fialho, da direção do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), garantiu que «caso a Ryanair continue com esta postura, não haverá outra solução que não seja uma greve a nível europeu» e, face aos prazos legais para a greve de cada país, uma data para a eventual paralisação “tem de sair da reunião”.

«Mas a acontecer, será em maio», afirmou o dirigente sindical à Lusa, informando que o convite para os sindicatos congéneres foi enviado na sexta-feira.

Sobre cartas que estão a ser enviadas pela transportadora irlandesa de baixo custo a tripulantes para reuniões em Dublin, o dirigente sindical garantiu que a Ryanair está a «tentar precaver-se da possível greve europeia».

Bruno Fialho considerou «não haver qualquer fundamento jurídico» para o envio de cartas, cuja convocatória refere «alegada violação da política da empresa de ‘social media’».

Para o SNPVAC em causa está a greve de três dias não consecutivos no período da Páscoa dos tripulantes com base em Portugal.

Desde o início da paralisação de três dias não consecutivos que o SNPVAC denunciou que a Ryanair contactou tripulantes na Europa para a substituição dos grevistas, violando a lei portuguesa, chegando inclusivamente a fazer ameaças de despedimento.

LEIA TAMBÉM: Greve na Ryanair: «Tem de decidir modelo de negócio: vender raspadinhas ou companhia de aviação»

A transportadora aérea Ryanair informou publicamente que iria usar «aeronaves e tripulantes» de fora do país «se necessário» para cumprir a operação durante a greve dos tripulantes de cabine com base em Portugal.

Os trabalhadores da transportadora exigem que a companhia aérea de baixo custo irlandesa aplique a legislação nacional, nomeadamente em termos de gozo da licença de parentalidade, garantia de ordenado mínimo e a retirada de processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo abaixo das metas da empresa.

As comissões parlamentares de Trabalho e de Economia aprovaram a audição no parlamento de representantes da administração da Ryanair, várias associações de aviação e a fiscalização do trabalho sobre esta greve.

VEJA AINDA: Ryanair ameaça despedir funcionária espanhola por apoiar colegas portugueses em greve

 


RELACIONADOS

Sindicatos reúnem-se em abril em Lisboa para discutir greve europeia na Ryanair

Os sindicatos europeus dos tripulantes de cabine da Ryanair vão reunir-se para discutir uma greve conjunta, que poderá ser em maio, se a transportadora aérea não mudar a sua postura.