Remessas dos emigrantes em Angola caíram 44% em março para 7,9 milhões de euros

Remessas dos emigrantes em Angola caíram 44% em março para 7,9 milhões de euros

As remessas dos portugueses a trabalhar em Angola caíram 44% em março, para 7,9 milhões de euros, acentuando a tendência de queda que se registou no primeiro trimestre, com uma descida superior a 20%, de acordo com os dados do Banco de Portugal.

Lisboa, 22 mai (Lusa) – As remessas dos portugueses a trabalhar em Angola caíram 44% em março, para 7,9 milhões de euros, acentuando a tendência de queda que se registou no primeiro trimestre, com uma descida superior a 20%.


De acordo com os dados do Banco de Portugal consultados pela Lusa, os portugueses a trabalhar em Angola enviaram, no primeiro trimestre deste ano, 34,35 milhões de euros, o que representa uma queda de 20,7% face aos 43,35 milhões de euros enviados no primeiro trimestre do ano passado.


Em março, o último mês para o qual há dados disponíveis, os emigrantes enviaram para Portugal 7,93 milhões de euros, o que equivale a uma queda de 44,7% face aos 14,3 milhões que tinham enviado em março do ano passado.


A queda dos valores dos emigrantes portugueses em Angola influencia decisivamente os números para a totalidade dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), fazendo com que haja uma descida nas remessas de 42,1%, de 15,04 milhões em março do ano passado, para 8,7 milhões em março deste ano.


No total dos países a nível mundial, os valores de março são bastante semelhantes aos do mês homólogo, registando-se apenas uma variação negativa de 0,4% nas remessas dos emigrantes, de 277,2 milhões de euros em março de 2017, para 275,8 milhões em março deste ano.


Em sentido inverso, as remessas dos estrangeiros a trabalhar em Portugal subiram 0,3% em março, aumentando de 43,8 milhões para 44,03 milhões de euros.



MBA // VM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Remessas dos emigrantes em Angola caíram 44% em março para 7,9 milhões de euros

As remessas dos portugueses a trabalhar em Angola caíram 44% em março, para 7,9 milhões de euros, acentuando a tendência de queda que se registou no primeiro trimestre, com uma descida superior a 20%, de acordo com os dados do Banco de Portugal.