Presidente do Eurogrupo critica hipótese de Reino Unido se converter em paraíso fiscal após sair da UE

Presidente do Eurogrupo critica hipótese de Reino Unido se converter em paraíso fiscal após sair da UE

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, afirmou que transformar o Reino Unido em paraíso fiscal após a saída da União Europeia (UE) “seria prejudicial” para as duas partes.

Haia, 24 jan (Lusa) – O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, afirmou hoje que transformar o Reino Unido em paraíso fiscal após a saída da União Europeia (UE) “seria prejudicial” para as duas partes.


“Isso iria prejudicar a economia da UE, mas também seria muito mau para a Inglaterra, para a Grã-Bretanha, ficar como uma espécie de paraíso fiscal nas margens da Europa”, afirmou Dijsselbloem em declarações ao canal televisivo holandês RTL-Z.


Na semana passada, a primeira-ministra britânica, Theresa May, ameaçou que o Reino Unido poderia “mudar as bases do modelo económico britânico” e baixar os impostos para atrair grandes empresas e investidores de todo o mundo, tornando-se um paraíso fiscal, se não for obtido o acordo comercial que deseja com a UE no âmbito do ‘Brexit’, a saída do país do bloco europeu.


“Penso que no clima atual, temos trabalhado bem com os britânicos no combate à evasão fiscal, e quando esse processo ainda está em curso, seria um passo atrás completamente louco”, considerou Dijsselbloem.


O presidente do Eurogrupo, que é também ministro das Finanças holandês, disse que está em negociações com vários bancos britânicos, mas também “norte-americanos e asiáticos que têm investimentos em Londres” e que ponderam mudar-se para outros países europeus, como a Holanda, apesar das regras mais estritas em relação aos bónus dos executivos.




EO // JNM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Presidente do Eurogrupo critica hipótese de Reino Unido se converter em paraíso fiscal após sair da UE

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, afirmou que transformar o Reino Unido em paraíso fiscal após a saída da União Europeia (UE) “seria prejudicial” para as duas partes.