Portugal ausente da inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém

Portugal ausente da inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém

Portugal será um dos países ausentes na cerimónia de inauguração da embaixada norte-americana em Jerusalém, disse hoje à Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros português.

Lisboa, 13 mai (Lusa) — Portugal será um dos países ausentes na cerimónia de inauguração da embaixada norte-americana em Jerusalém, disse hoje à Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros português.


“Portugal não se fará representar na inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém”, marcada para segunda-feira, afirmou a fonte do Palácio das Necessidades.


Hoje, o Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita organiza uma cerimónia para assinalar a inauguração da embaixada norte-americana, mas dezenas de países, incluindo a maioria dos europeus, não marcarão presença.


O evento conta com a presença do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e da delegação norte-americana enviada para a inauguração, que já chegou a Israel e inclui a filha do Presidente dos Estados Unidos Ivanka Trump e o seu marido e assessor presidencial, Jared Kushner.


Está prevista a assistência de um milhar de pessoas e foram convidados 86 embaixadores e encarregados de negócios, 40 dos quais aceitaram, mas a maioria dos Estados europeus não estará presente por não concordar com a mudança da embaixada de Telavive para Jerusalém, que rompe o consenso da comunidade internacional.


Entre os países que não estarão presentes encontra-se a Espanha, o Reino Unido, a França e Itália, embora tenham confirmado a sua presença os representantes da Roménia, Hungria, Áustria e República Checa, confirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros num comunicado.


O Governo português, pela voz do chefe da diplomacia, Augusto Santos Silva, opôs-se à decisão da administração norte-americana de transferir a representação diplomática de Telavive para Jerusalém, insistindo que a solução para o conflito passa pela “coexistência” entre Israel e a Palestina.


“O Governo português ficará extremamente feliz no dia em que puder reconhecer Jerusalém como a capital do Estado de Israel, transferindo a sua representação diplomática em Israel de Telavive para Jerusalém, porque esse será o exato dia em que Portugal poderá reconhecer Jerusalém como capital do Estado da Palestina e transferir a sua representação diplomática na Palestina de Ramallah para Jerusalém Oriental”, declarou Augusto Santos Silva.


O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a mudança da embaixada em dezembro, quando reconheceu Jerusalém como a capital de Israel, suscitando críticas da maioria da comunidade internacional e a ira dos palestinianos.


Estes reivindicam Jerusalém oriental, ocupado em 1967 e posteriormente anexado por Israel, como a capital de um desejado Estado da Palestina.



JH (PAL/ACC/DD) // HB

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Portugal ausente da inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém

Portugal será um dos países ausentes na cerimónia de inauguração da embaixada norte-americana em Jerusalém, disse hoje à Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros português.