Impala

Óbito/Soares: Freitas do Amaral lamenta morte do “Patriaca da Democracia”

O ex-líder do CDS e candidato a Belém Diogo Freitas do Amaral lamentou a morte do antigo Presidente da República Mário Soares que classificou de “Patriarca da Democracia”.

Lisboa, 07 jan (Lusa) — O ex-líder do CDS e candidato a Belém Diogo Freitas do Amaral lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares que classificou de “Patriarca da Democracia”.


“Morreu o ‘Patriarca da Democracia’. Ninguém a encarnou melhor do que ele, antes e depois de 1974. À doutora Isabel Soares e ao doutor João Soares, nossos bons amigos, a minha mulher e eu enviamos as nossas mais sinceras condolências”, escreveu o ex-vice-primeiro-ministro e titular dos Negócios Estrangeiros, numa declaração enviada à Lusa.


Na mesma nota, Freitas do Amaral evidenciou: “Todos os Portugueses podem estar certos de uma coisa: Mário Soares não será esquecido; e quem não esquece, não morre”.


Mário Soares encontrava-se internado desde o dia 13 de dezembro, tendo sido transferido no dia 22 dos Cuidados Intensivos para a “unidade de internamento em regime reservado” do Hospital da Cruz Vermelha, depois de sinais de melhoria do estado de saúde.


No entanto, no dia 24, um agravamento súbito da situação clínica obrigou ao regresso do antigo chefe de Estado à Unidade dos Cuidados Intensivos.


No dia 31 de dezembro, dia da última atualização feita pelo hospital sobre o seu estado de saúde, Mário Soares continuava em “coma profundo”, mas “estável e com parâmetros vitais normais”.


Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos, desempenhou os mais altos cargos no país e a sua vida confunde-se com a própria história da democracia portuguesa: combateu a ditadura, foi fundador do PS e Presidente da República.



SMS // JPS


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Óbito/Soares: Freitas do Amaral lamenta morte do “Patriaca da Democracia”

O ex-líder do CDS e candidato a Belém Diogo Freitas do Amaral lamentou a morte do antigo Presidente da República Mário Soares que classificou de “Patriarca da Democracia”.