Impala

Obama prepara sanções contra Rússia por alegada interferência nas presidencias

Os Estados Unidos estão a preparar novas sanções económicas e diplomáticas contra a Rússia devido à alegada interferência do Kremlin nas eleições presidenciais norte-americanas, informaram quarta-feira vários órgãos de comunicação social.

Washington, 29 dez (Lusa) — Os Estados Unidos estão a preparar novas sanções económicas e diplomáticas contra a Rússia devido à alegada interferência do Kremlin nas eleições presidenciais norte-americanas, informaram quarta-feira vários órgãos de comunicação social.


Segundo o “The Washington Post”, a administração do Presidente cessante Barack Obama concretiza os detalhes das sanções, que pretende impor antes do final do seu mandato a 20 de janeiro e que ainda poderão ser anunciadas esta semana.


A administração de Barack Obama pretende também “blindar” as sanções para que Donald Trump não possa revertê-las facilmente.


Além das sanções económicas e diplomáticas, a resposta de Washington a Moscovo incluirá muito possivelmente operações informáticas encobertas, segundo a CNN.


As diversas agências de informação norte-americanas coincidem na acusação de que Moscovo interferiu nas eleições presidenciais de 08 de novembro com ataques informáticos ao Partido Democrata e à campanha de Hillary Clinton para ajudar à eleição de Donald Trump, que anunciou uma mudança de rumo nas atuais tensas relações com o Kremlin.


A Rússia já anunciou que se Washington adotar novas medidas hostis “terá resposta” e que ações contra diplomatas russos nos Estados Unidos terão “repercussão imediata” nos diplomatas norte-americanos na Rússia.


Washington impôs em 2014 sanções contra a Rússia por causa da anexação da península da Crimeia e pelo apoio do Kremlin aos rebeldes que combatem no leste da Ucrânia.



MSE // ARA


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Obama prepara sanções contra Rússia por alegada interferência nas presidencias

Os Estados Unidos estão a preparar novas sanções económicas e diplomáticas contra a Rússia devido à alegada interferência do Kremlin nas eleições presidenciais norte-americanas, informaram quarta-feira vários órgãos de comunicação social.