Impala

Obama o mais admirado pelos norte-americanos, Trump segundo — Sondagem Gallup

Uma sondagem Gallup divulgada hoje concluiu que o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, é o homem mais admirado pelos norte-americanos em 2016, à frente do chefe de Estado eleito, Donald Trump.

Chicago, Illinois, 28 dez (Lusa) — Uma sondagem Gallup divulgada hoje concluiu que o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, é o homem mais admirado pelos norte-americanos em 2016, à frente do chefe de Estado eleito, Donald Trump.


Obama foi escolhido por 22% dos inquiridos, seguido de Trump, com 15%, e o papa Francisco, com 4%.


A candidata democrata derrotada nas presidenciais de novembro, Hillary Clinton, é apontada como a mulher mais admirada em 2016 por 12% dos norte-americanos.


A primeira-dama, Michelle Obama, foi a segunda mais votada, com 8%.


Entre as cinco mulheres mais admiradas, embora com pontuações muito abaixo, figuram também a chanceler alemã, Angela Merkel, e as apresentadoras de televisão norte-americanas Oprah Winfrey e Ellen DeGeneres.


Barack Obama e Hillary Clinton são os mais votados desde 2008 nesta sondagem anual, que tende a favorecer os presidentes e primeiras-damas.


A tensão entre Donald Trump e a atual administração da Casa Branca tem aumentado sobretudo desde a eleição do republicano, tanto em matérias de política interna como externa.


No fim de semana, Obama sugeriu que teria sido eleito para um terceiro mandato se não estivesse impedido constitucionalmente de se recandidatar, ao que Trump respondeu, no Twitter, “Nem pensar!”.


A tensão ressurgiu hoje quando Trump tweetou: “Estou a dar o meu melhor para ignorar os muitos obstáculos e declarações inflamatórias do Presidente [Barack Obama]. Pensei que a transição seria suave. Mas não!”



MDR // ARA


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Obama o mais admirado pelos norte-americanos, Trump segundo — Sondagem Gallup

Uma sondagem Gallup divulgada hoje concluiu que o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, é o homem mais admirado pelos norte-americanos em 2016, à frente do chefe de Estado eleito, Donald Trump.