Impala

Militares da Guiné-Bissau com dificuldades para tirarem do campo arroz produzido

Os militares da Guiné-Bissau estão com dificuldades para tirarem dos campos agrícolas “grandes quantidades” de arroz produzido por falta de máquinas de corte do cereal, disse hoje à agência Lusa, Lassana Ndami, chefe de produção do exército guineense.

Bissau, 12 jan (Lusa) – Os militares da Guiné-Bissau estão com dificuldades para tirarem dos campos agrícolas “grandes quantidades” de arroz produzido por falta de máquinas de corte do cereal, disse hoje à agência Lusa, Lassana Ndami, chefe de produção do exército guineense.


Por iniciativa do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, soldados guineenses produziram arroz nos campos agrícolas de Birikama, Fa Mandinga, Bidinga Na Nhasse e Bul, no leste do país, mas agora a dificuldade é tirar o produto do terreno.


O general Lassana Ndami acrescentou que o arroz produzido provém da totalidade dos 21 hectares dos quatro campos.


O arroz é a base da dieta alimentar dos guineenses mas grande parte do cereal consumido no país é importado.


Em condições normais, a Guiné-Bissau produz cerca de 111 mil toneladas de arroz e importa cerca de 150 mil toneladas, que custam 75 milhões de dólares (70,3 milhões de euros).


“Estamos com dificuldades para tirar o arroz porque foi uma produção de máquinas e agora não temos como tirar o arroz dos campos com a mão”, disse o chefe da divisão de produção das Forças Armadas guineenses.


O ministro da Agricultura visitou os quatro campos e prometeu tentar arranjar uma solução mas até lá os militares vão tirando o arroz com a mão com ajuda de populares, afirmou o general Ndami.


O chefe da divisão de produção das Forças Armadas disse que o cultivo do arroz “é a resposta dos militares” ao apelo lançado pelo chefe do Estado-Maior, general Biague Na Ntan no sentido de “deixarem os problemas políticos com os políticos”.


“Pediu-nos que trabalhemos. Deixemos a política com os políticos. Foi o que fizemos com esta grande quantidade de arroz que produzimos”, enfatizou Lassana Ndami.


Sobre o destino a dar ao arroz produzido nos quatro campos de lavoura, o general Ndami afirmou que caberá ao Governo decidir.



MB // EL


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Militares da Guiné-Bissau com dificuldades para tirarem do campo arroz produzido

Os militares da Guiné-Bissau estão com dificuldades para tirarem dos campos agrícolas “grandes quantidades” de arroz produzido por falta de máquinas de corte do cereal, disse hoje à agência Lusa, Lassana Ndami, chefe de produção do exército guineense.