Impala

Mário Soares: Cristas reconhece que democracia pluripartidária se deve a luta do antigo PR

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, reconheceu que Portugal tem uma democracia pluripartidária porque homens como Mário Soares “por ela lutaram em momentos decisivos”.

*** Serviço áudio disponível em www.lusa.pt ***



Lisboa, 09 jan (Lusa) – A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, reconheceu hoje que Portugal tem uma democracia pluripartidária porque homens como Mário Soares “por ela lutaram em momentos decisivos”.


“Independentemente de em vários momentos termos discordado de Mário Soares, há também momentos em que concordamos, e sobretudo é um justo reconhecimento sabermos que hoje temos uma democracia pluripartidária porque homens como Mário Soares – e por ventura Mário Soares à cabeça – por ela lutaram em momentos decisivos para o nosso país”, disse aos jornalistas Assunção Cristas à saída do Mosteiro dos Jerónimos, onde decorrem as cerimónias fúnebres de Mário Soares.


Segundo a líder centrista, Portugal está hoje “na Europa por trabalho de homens como Mário Soares, também com ele à cabeça”.


“Este é o momento de valorizar aquilo que obviamente reconhecemos como muito positivo, independentemente de em outros momentos termos tido posições diferentes e divergência, é mais do que justo e genuíno reconhecer esse trabalho que foi feito para que hoje possamos estar todos em liberdade, em democracia”, enfatizou.


Para Cristas, Soares “era conhecido pela sua extraordinária simpatia e capacidade de comunicação”.


Mário Soares morreu no sábado, aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.


O Governo português decretou três dias de luto nacional, até quarta-feira.


O corpo do antigo Presidente da República está em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos desde as 13:10 de hoje, depois de ter sido saudado por milhares de pessoas à passagem do cortejo fúnebre pelas principais ruas da capital com escolta a cavalo da GNR.


O funeral realiza-se na terça-feira, pelas 15:30, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, após passagem do cortejo fúnebre pelo Palácio de Belém, Assembleia da República, Fundação Mário Soares e sede do PS, no Largo do Rato.


Nascido a 07 de dezembro de 1924, em Lisboa, Mário Alberto Nobre Lopes Soares, advogado, combateu a ditadura do Estado Novo e foi fundador e primeiro líder do PS.


Após a revolução do 25 de Abril de 1974, regressou do exílio em França e foi ministro dos Negócios Estrangeiros e primeiro-ministro entre 1976 e 1978 e entre 1983 e 1985, tendo pedido a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), em 1977, e assinado o respetivo tratado, em 1985.


Em 1986, ganhou as eleições presidenciais e foi Presidente da República durante dois mandatos, até 1996.



JF // JPS


Lusa/fim


RELACIONADOS

Mário Soares: Cristas reconhece que democracia pluripartidária se deve a luta do antigo PR

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, reconheceu que Portugal tem uma democracia pluripartidária porque homens como Mário Soares “por ela lutaram em momentos decisivos”.