Impala

Marcelo diz que défice é resultado “muito importante” que “profetizavam que nunca se chegaria”

O Presidente da República defendeu que o resultado do défice é “muito importante” porque há nove meses “as pessoas profetizavam que nunca se chegaria” ao valor atual, ressalvando que é ainda provisório.

*** serviços vídeo e áudio disponíveis em www.lusa.pt ***



Lisboa, 23 dez (Lusa) – O Presidente da República defendeu hoje que o resultado do défice é “muito importante” porque há nove meses “as pessoas profetizavam que nunca se chegaria” ao valor atual, ressalvando que é ainda provisório.


“Como se chega a um défice desses é uma questão que só olhando para os resultados. Provavelmente, tem a ver com, por um lado, um crescimento da economia superior na parte final do ano do que foi no começo, e, por isso, receitas superiores, por outro lado, uma contração apreciável de despesas, nomeadamente despesas não apenas de funcionamento, mas de investimento”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.


O chefe de Estado respondia aos jornalistas, que o questionaram sobre os receios da oposição sobre a forma como se alcança o défice, e concluiu: “Em qualquer caso, é muito importante que se tenha chegado a esse resultado, porque há nove meses as pessoas profetizavam que nunca se chegaria a nada parecido com isso”.


Cerca de uma hora antes, a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, à saída de uma audiência com o Presidente, tinha dito aos jornalistas que o resultado do défice era positivo mas importava saber como foi alcançado, apontando a “degradação dos serviços públicos”.


Sobre o défice, Marcelo Rebelo de Sousa começou por dizer: “Ainda vamos no défice de nove meses e o otimismo do primeiro-ministro parece mostrar que ele sabe mais coisas do que nós sabemos e que espera ainda melhor do que o défice de setembro, porque ele fala num défice inferior a 2,5%. Eu, realisticamente, falei sempre em 2,5%”.


“Portanto, teremos de esperar ainda em janeiro e em fevereiro para conhecer défice atualizado com outubro, novembro e dezembro”, acrescentou.


“Aparentemente, pode acontecer que o otimismo do primeiro-ministro justifique um défice até ligeiramente inferior a 2,5%, mas para já 2,5% é aquilo que a Comissão Europeia achava ser fundamental e é aquilo que corresponde a ser seguido um caminho de rigor financeiro e que eu também considero fundamental e os portugueses consideram”, afirmou.


O défice orçamental das administrações públicas fixou-se em 3.405,6 milhões de euros até setembro, ou seja, 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).


O INE explica que esta melhoria do saldo foi determinada por um aumento da receita total em 0,8%, mas também por uma diminuição da despesa em 1,1%.


A meta do Governo para a totalidade do ano é de 2,4% do PIB, e a meta fixada por Bruxelas é de 2,5% do PIB.



ACL (JNM) // SMA


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Marcelo diz que défice é resultado “muito importante” que “profetizavam que nunca se chegaria”

O Presidente da República defendeu que o resultado do défice é “muito importante” porque há nove meses “as pessoas profetizavam que nunca se chegaria” ao valor atual, ressalvando que é ainda provisório.