Impala

Le Pen diz que ou Bruxelas devolve poderes à França ou esta deve sair da UE

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, garantiu hoje que iria advogar a saída da França da União Europeia se Bruxelas não concordar com a devolução aos Estados dos poderes de controlo da imigração e política económica.

Paris, 07 jan (Lusa) — A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, garantiu hoje que iria advogar a saída da França da União Europeia se Bruxelas não concordar com a devolução aos Estados dos poderes de controlo da imigração e política económica.


A candidata presidencial já prometeu que, se for eleita em maio, irá abandonar o euro e realizar um referendo ao estilo do organizado no Reino Unido sobre a pertença da França à União Europeia (UE).


Mas recentemente pareceu amaciar a sua posição, ao afirmar que uma “moeda comum” poderia coexistir com uma moeda nacional.


Durante um encontro com jornalistas estrangeiros, a líder da Frente Nacional insistiu que “não tinha mudado de ideias”.


Se ganhar as eleições de 07 de maio deste ano, prometeu que iria abrir negociações imediatamente com a UE sobre a restauração de “quatro tipos fundamentais de soberania: territorial, económica, monetária e legislativa”.


As discussões, adiantou, deveriam focar-se nas suas exigências para o regresso das fronteiras dentro da UE, o fim da primazia da legislação comunitária sobre a nacional e o direito da França de sair do euro e adotar uma política de “patriotismo económico”.


Seis meses depois iria colocar o resultado das negociações a um referendo sobre a saída ou permanência da França na UE.


“Ou consigo garantir o retorno destas quatro soberanias e aconselho os franceses a permanecerem na nova Europa das nações, ou não o consigo e então aconselho a que saiam da UE”, declarou



RN // ARA


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Le Pen diz que ou Bruxelas devolve poderes à França ou esta deve sair da UE

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, garantiu hoje que iria advogar a saída da França da União Europeia se Bruxelas não concordar com a devolução aos Estados dos poderes de controlo da imigração e política económica.