Jerusalém: Marcelo condena

Jerusalém: Marcelo condena “unilateralismos que ponham em causa relações entre aliados”

O Presidente da República referiu-se hoje indiretamente aos acontecimentos de segunda-feira em Israel e na Faixa de Gaza, condenando “unilateralismos que ponham em causas relações entre aliados e fomentem tensões” e advertindo para o risco que representam.

Lisboa, 15 mai (Lusa) — O Presidente da República referiu-se hoje indiretamente aos acontecimentos de segunda-feira em Israel e na Faixa de Gaza, condenando “unilateralismos que ponham em causas relações entre aliados e fomentem tensões” e advertindo para o risco que representam.


Marcelo Rebelo de Sousa assumiu esta posição numa declaração no Palácio de Belém, em Lisboa, tendo ao seu lado a presidente de Malta, Marie-Louise Coleiro Preca, que hoje recebeu, no início da sua visita de Estado a Portugal.


O chefe de Estado falava sobre a necessidade de “estabilidade, paz e desenvolvimento” no Mediterrâneo, afirmando que Portugal e Malta se têm batido por isso “nas mais variadas organizações internacionais”.


Neste contexto, questionou: “E como não querer a paz e o diálogo em tempos como aqueles em que vivemos, ontem [segunda-feira] ainda o vimos no Médio Oriente, que testemunham os perigos de unilateralismos que ponham em causa relações entre aliados e fomentem tensões onde se deveria aplanar um caminho de entendimento?”.


Na segunda-feira, dia em que o Estado Israel assinalou os seus 70 anos, mais de 50 palestinianos foram mortos e milhares ficaram feridos por forças israelitas na Faixa de Gaza, durante protestos contra a inauguração da nova embaixada dos Estados Unidos da América (EUA) em Jerusalém.


Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre a situação em Gaza, na segunda-feira à tarde, e na altura não quis comentá-la diretamente, mas recordou que Portugal discorda da “conduta unilateral” dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.


“A posição de Portugal, que é igual à posição da União Europeia, é de não acompanhar a iniciativa americana relativamente a ver a perspetiva de uma ótica essencialmente de um Estado e não de dois”, disse.


O Estado português “mantém essa posição, que é de entender que tudo o que contribua para o diálogo é bom, tudo aquilo que, sendo uma conduta unilateral, não contribua para o diálogo, isto é, para esse objetivo de haver dois povos e dois Estados, é negativo”, acrescentou.


“Não facilita o caminho para a paz, cria tensão que dificulta esse caminho para a paz”, reforçou.



IEL // ZO

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Jerusalém: Marcelo condena “unilateralismos que ponham em causa relações entre aliados”

O Presidente da República referiu-se hoje indiretamente aos acontecimentos de segunda-feira em Israel e na Faixa de Gaza, condenando “unilateralismos que ponham em causas relações entre aliados e fomentem tensões” e advertindo para o risco que representam.