Impala

Israel destaca reforços militares na Cisjordânia após anúncio de Trump

O exército israelita anunciou hoje que vai destacar forças suplementares na Cisjordânia, território palestiniano ocupado, após a decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

O exército israelita anunciou hoje que vai destacar forças suplementares na Cisjordânia, território palestiniano ocupado, após a decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

Um porta-voz do exército israelita indicou que os batalhões adicionais vão ser enviados para a Cisjordânia, e que outras forças estarão prontas para intervir, depois de o controverso anúncio de Donald Trump ter levantado receios de uma onda de violência.

O exército israelita não referiu, porém, o número de efetivos em causa.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu, na quarta-feira, Jerusalém como capital de Israel, tornando-se no único país do mundo a tomar essa decisão, que representa uma rutura com décadas de neutralidade da diplomacia norte-americana no âmbito do dossiê israelo-palestiniano.

Nesse sentido, ordenou a transferência da embaixada norte-americana de Telavive para Israel, uma posição que desencadeou uma série de críticas da comunidade internacional e fez disparar a tensão na região.

 

Outros artigos em destaque

Carrilho exalta-se em tribunal: «Quem bate é a mãe!»
Cristina Avides Moreira: rosto da dor no adeus a Zé Pedro
seguranças privados
#3 Grande Reportagem | Seguranças privados: Das balas ao coração (vídeo)
Líder dos Super Dragões partilha foto de árbitro espancado
Líder dos Super Dragões partilha foto de árbitro espancado
8 sex toys que os «amigos secretos» mais oferecem


RELACIONADOS

Israel destaca reforços militares na Cisjordânia após anúncio de Trump

O exército israelita anunciou hoje que vai destacar forças suplementares na Cisjordânia, território palestiniano ocupado, após a decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.