Impala

Governo português classifica atentado no Cairo como ação infame e deplorável

O Governo português condenou veementemente o atentado junto à catedral cristã copta do Cairo, classificando-o como uma “ação infame e a todos títulos deplorável”, segundo uma declaração do ministro dos Negócios Estrangeiros enviada à Lusa.

Lisboa, 11 dez (Lusa) – O Governo português condenou veementemente o atentado de hoje junto à catedral cristã copta do Cairo, classificando-o como uma “ação infame e a todos títulos deplorável”, segundo uma declaração do ministro dos Negócios Estrangeiros enviada à Lusa.


“O Governo Português condena veementemente o terrível atentado que teve lugar esta manhã junto à Catedral de S. Marcos, no Cairo”, refere o ministro Augusto Santos Silva, acrescentando que “a explosão ocorreu durante uma celebração na Igreja de S. Pedro e S. Paulo, o que constitui uma ação infame e a todos títulos deplorável”.


Na sequência da explosão no templo, que fez pelo menos 25 mortos, o Presidente do Egito, Abelfatah al Sisi, declarou três dias de luto, a partir de hoje.


Na declaração enviada à agência Lusa, o ministro acrescenta que “o Governo Português deplora todas as formas de terrorismo e apela à Comunidade Internacional para que prossiga e fortaleça o seu combate contra este flagelo”.


Augusto Santos Silva lembra ainda o ataque de sexta-feira, no distrito de Talibiya, também no Cairo.


O povo egípcio “merece a mais completa solidariedade do Governo Português, que transmite o seu profundo pesar às autoridades egípcias e às famílias das vítimas, bem como votos de uma rápida recuperação para todos os feridos”, adianta.


O Presidente do Egipto disse hoje que o “terrorismo está contra a pátria dos cristãos e muçulmanos”, mas que o “Egito vai fortalecer-se, como de costume”.



SB (IM) // PNG


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Governo português classifica atentado no Cairo como ação infame e deplorável

O Governo português condenou veementemente o atentado junto à catedral cristã copta do Cairo, classificando-o como uma “ação infame e a todos títulos deplorável”, segundo uma declaração do ministro dos Negócios Estrangeiros enviada à Lusa.