Impala

Governo fecha 2016 com a “chave de ouro” do acordo do salário mínimo — António Costa

O primeiro-ministro considerou que o Governo termina 2016 “com chave de ouro”, ao conseguir um acordo de concertação social em torno do salário mínimo, depois de ter registado “a melhor” execução orçamental dos últimos 42 anos.

*** Serviço áudio disponível em www.lusa.pt ***



Lisboa, 22 dez (Lusa) – O primeiro-ministro considerou hoje que o Governo termina 2016 “com chave de ouro”, ao conseguir um acordo de concertação social em torno do salário mínimo, depois de ter registado “a melhor” execução orçamental dos últimos 42 anos.


Estas posições foram assumidas por António Costa no jantar de Natal do Grupo Parlamentar do PS, após breves intervenções – ambas bem-humoradas – do líder da bancada socialista, Carlos César, e do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.


Com mais de uma dezena de membros do executivo a ouvi-lo, entre os quais os ministros das Finanças (Mário Centeno) e dos Negócios Estrangeiros (Augusto Santos Silva), António Costa destacou sobretudo a ação do titular da pasta do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, ao nível do Conselho de Concertação Social.


“Em 2016, este Governo conseguiu a melhor execução orçamental dos últimos 42 anos. E a melhor prova que é sempre possível transformar os impossíveis em oportunidades e possibilidades é que fechamos este parlamentar com chave de ouro com o acordo de concertação social para a subida do salário mínimo nacional”, declarou o secretário-geral do PS, recebendo uma salva de palmas dos deputados socialistas.


No próximo ano, o salário mínimo nacional sobe de 530 para 557 euros, enquanto a taca social única (TSU) desce para os empregadores 1,5 pontos percentuais.



PMF // MAG


Lusa/fim


RELACIONADOS

Governo fecha 2016 com a “chave de ouro” do acordo do salário mínimo — António Costa

O primeiro-ministro considerou que o Governo termina 2016 “com chave de ouro”, ao conseguir um acordo de concertação social em torno do salário mínimo, depois de ter registado “a melhor” execução orçamental dos últimos 42 anos.