Impala

Falta de governo na Guiné-Bissau aumenta pobreza e corrupção — Liga dos Direitos Humanos

A falta de governo na Guiné-Bissau tem contribuído para o aumento da pobreza e da corrupção no aparelho do Estado, alertou o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva.

*** Serviço áudio disponível em www.lusa.pt ***



Bissau, 08 dez (Lusa) – A falta de governo na Guiné-Bissau tem contribuído para o aumento da pobreza e da corrupção no aparelho do Estado, alertou hoje o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva.


O Presidente guineense, José Mário Vaz, nomeou o general na reserva Umaro Sissoco Embaló como primeiro-ministro a 18 de novembro, mas este ainda não formou um governo.


Augusto da Silva afirmou hoje que a crise política que assola a Guiné-Bissau tem levado a que o país deixe de contar com políticas públicas devido a “ausência de um governo legítimo” para as elaborar.


Para o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, “a culpa é do Presidente da República” que, disse, não consegue convencer os partidos políticos a aderirem o executivo de Sissoco Embaló.


Augusto da Silva diz que “há mais de um ano que não tem havido políticas públicas”, um vez que desde agosto de 2015 o país deixou de contar com um governo com legitimidade para apresentar ao Parlamento um orçamento e o plano de ação.


Aquele responsável disse também que o facto tem levado à deterioração do respeito pelos direitos humanos, a um aumento de pobreza e a tem feito com que a corrupção acelere na administração pública por falta de controlo.



MB // SMA


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Falta de governo na Guiné-Bissau aumenta pobreza e corrupção — Liga dos Direitos Humanos

A falta de governo na Guiné-Bissau tem contribuído para o aumento da pobreza e da corrupção no aparelho do Estado, alertou o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva.