Esquerda radical abstém-se e viabiliza posse de Quim Torra na Catalunha

Esquerda radical abstém-se e viabiliza posse de Quim Torra na Catalunha

Extrema-esquerda abre caminho a Quim Torra para ser eleito presidente da Generalitat.

A Candidatura de Unidade Popular (CUP, esquerda radical) vai viabilizar na segunda-feira a investidura de Quim Torra como presidente do governo catalão, ao manter as abstenções dos quatro deputados, mas sem garantir as condições de governação do futuro executivo.

A decisão, que foi tomada este domingo pelo conselho político da CUP, permite que na segunda-feira seja empossado Torra por maioria simples, com os votos favoráveis do Junts per Catalunya (JxCat, direita separatista) e da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), enquanto os restantes grupos parlamentares votarão contra — Cidadãos (direita liberal), Partido dos Socialistas da Catalunha, Catalunya En Comú-Podem (versão catalã do Podemos) e Partido Popular da Catalunha.

Em comunicado, a formação indicou que “não bloqueará a formação de um novo ‘Govern’”, num momento “complexo, marcado pela repressão e vulneração de direitos políticos e civis por parte do Estado”.

No entanto, a formação antissistema sublinhou que, apesar de facilitar a investidura com as quatro abstenções, ficará na oposição na próxima legislatura, sem assegurar condições de governação do próximo executivo catalão.

A CUP tomou esta decisão após considerar que a proposta de programa de governo de JxCat e ERC “não avança na construção de medidas nem republicanas nem sociais, que respondam aos direitos e necessidades da classe trabalhadora e do resto das classes populares”.

A organização de esquerda radical afirma-se pronta para “assumir um papel de oposição ativa, trabalhando, dentro e fora das instituições, para gerar um novo ciclo do movimento independentista”.

Antes de ser conhecida a posição da CUP, o antigo presidente da Generalitat Carles Puigdemont pedira que a CUP fosse coerente, mantendo a abstenção na investidura de Quim Torra, como já fez com Jordi Turull, recordando que aquela organização “disse sempre que o nome não era um problema”.

O ex-conselheiro catalão Jordi Turull renunciou em abril à candidatura à tomada de posse, por se encontrar em prisão preventiva.

O líder do Partido Popular na Catalunha, Xavier García Albiol, já veio lamentar a decisão da CUP, argumentando que o candidato do JxCat representa uma minoria dos catalães.

“Mais de metade dos catalães terão amanhã [segunda-feira] um presidente que não nos representa e, o que é pior, nem pretende sê-lo”, escreveu Albiol na sua conta na rede Twitter.

LEIA MAIS: Carles Puigdemont renuncia a presidir ao governo da Catalunha

 


RELACIONADOS