Impala

Donald Trump diz que os Estados Unidos devem reforçar arsenal nuclear

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu nas redes sociais que o seu país tem de “expandir e fortalecer em grande medida” as suas capacidades nucleares.

Redação, 22 dez (Lusa) – O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu hoje nas redes sociais que o seu país tem de “expandir e fortalecer em grande medida” as suas capacidades nucleares.


Trump, que toma posse como presidente dos Estados Unidos a 20 de janeiro, escreveu hoje um ‘tweet’ no qual afirma que o país deve fortalecer o seu arsenal nuclear “até ao dia em que o mundo ganhe juízo no que diz respeito às [bombas] nucleares”.


O presidente dos Estados Unidos é, por inerência, o comandante supremo das Forças Armadas do seu país, possuindo os códigos de lançamento do vasto arsenal de mísseis nucleares balísticos intercontinentais, capazes de atingir qualquer ponto do globo.


O ‘tweet’ de Donald Trump surge um dia depois de o presidente eleito se ter reunido com responsáveis militares para discutir orçamentos para a Defesa, incluindo o Tenente General Jack Weinstein, o chefe de Estado-Maior adjunto para questões de estratégia nuclear.


Durante a campanha eleitoral, Trump já tinha afirmado que os Estados Unidos deveriam expandir o seu arsenal e sugeriu que “o mundo estaria melhor” se outros países – incluindo o Japão e a Coreia do Sul – tivessem capacidade nuclear.


As estimativas sobre arsenais nucleares da organização Arms Control Association (relativas a 2016) indicam que a Rússia terá atualmente 7.300 ogivas nucleares, contra as cerca de 7.100 dos Estados Unidos. A França terá 300 ogivas, China 260 e o Reino Unido outras 215.


Os outros países que terão ogivas nucleares – segundo a mesma fonte – são o Paquistão (140), a Índia (110), Israel (80) e a Coreia do Norte (oito).



NVI // JMR


Lusa/Fim


RELACIONADOS

Donald Trump diz que os Estados Unidos devem reforçar arsenal nuclear

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu nas redes sociais que o seu país tem de “expandir e fortalecer em grande medida” as suas capacidades nucleares.