Impala

Diplomatas dissidentes devem “alinhar com o programa ou ir embora”

A Casa Branca fez hoje um ultimato aos diplomatas que protestaram oficialmente contra o decreto do Presidente norte-americano, Donald Trump, que proíbe a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países muçulmanos.

Washington, 30 jan (Lusa) — A Casa Branca fez hoje um ultimato aos diplomatas que protestaram oficialmente contra o decreto do Presidente norte-americano, Donald Trump, que proíbe a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países muçulmanos.


“Ou eles alinham com o programa ou vão-se embora”, declarou o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, considerando que foi dada à carta subscrita por diplomatas do departamento de Estado uma atenção “desproporcionada e exagerada” e que eles devem ponderar bem as posições que assumem.


O instrumento do departamento de Estado designado como “canal de dissidência” é usado desde a época da guerra do Vietname para permitir aos funcionários expressarem as suas opiniões e pontos de vista aos superiores hierárquicos, mas os observadores estão a classificar como extraordinário ver um tal movimento apenas dez dias após a posse do novo chefe de Estado.


O secretário de Estado escolhido por Trump, o ex-patrão da ExxonMobil, Rex Tillerson, ainda não foi confirmado na pasta pelo Senado e há uma série de cargos de topo no departamento de Estado ainda por ocupar.


O porta-voz do departamento ainda em funções, Mark Toner, indicou que o memorando da discórdia ainda não foi entregue.


“Temos conhecimento de uma mensagem enviada através do canal de dissidência sobre a ordem executiva intitulada ‘Proteger a nação da entrada de terroristas estrangeiros nos Estados Unidos'”, declarou.



ANC // ARA

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Diplomatas dissidentes devem “alinhar com o programa ou ir embora”

A Casa Branca fez hoje um ultimato aos diplomatas que protestaram oficialmente contra o decreto do Presidente norte-americano, Donald Trump, que proíbe a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países muçulmanos.