Dezenas de jovens angolanos exigiram na rua demissão de governador de Malanje
Impala

Dezenas de jovens angolanos exigiram na rua demissão de governador de Malanje

Dezenas de jovens angolanos exigiram na quarta-feira, em Malanje, a saída de Norberto dos Santos “Kwata Kanawa” do cargo do governador daquela província do norte do país, com relatos de apedrejamentos e intervenção policial, confirmaram à Lusa fontes locais.

Dezenas de jovens angolanos exigiram na quarta-feira, em Malanje, a saída de Norberto dos Santos “Kwata Kanawa” do cargo do governador daquela província do norte do país, com relatos de apedrejamentos e intervenção policial, confirmaram à Lusa fontes locais.

O protesto contra o também primeiro secretário em Malanje do MPLA, partido no poder, deu-se no dia em que a capital da província recebeu o ato central das comemorações do dia da Paz e da Reconciliação Nacional, com a presença do vice-Presidente da República, Bornito de Sousa.

Várias fontes relatam casos de viaturas apedrejadas e vandalizadas na cidade de Malanje e jovens com cartazes dizendo “Nós não queremos este governador”, aproveitando para tal a presença do vice-Presidente, protesto que dispersado pela polícia.

Em causa estarão várias polémicas locais, desde logo concursos para a colocação de professores e a proibição de os jovens moto-taxistas circularem no centro da cidade, devido, alegadamente, ao alto índice de sinistralidade.

Antigo ministro de José Eduardo dos Santos, na Assistência e Reinserção Social e dos Assuntos Parlamentares, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, de 70 anos, foi colocado em 2012 como governador da província de Malanje.

Em setembro último voltou a ser nomeado para o mesmo cargo pelo novo Presidente da República, João Lourenço.

 


RELACIONADOS

Dezenas de jovens angolanos exigiram na rua demissão de governador de Malanje

Dezenas de jovens angolanos exigiram na quarta-feira, em Malanje, a saída de Norberto dos Santos “Kwata Kanawa” do cargo do governador daquela província do norte do país, com relatos de apedrejamentos e intervenção policial, confirmaram à Lusa fontes locais.