Covid-19: São Miguel com recolher obrigatório às 20h00 durante a semana

A ilha, a mais afetada nos Açores pela pandemia, passará a partir de sexta-feira a ter recolhimento obrigatório às 20h00 durante a semana, mantendo-se a medida às 15h00 no fim de semana.

Covid-19: São Miguel com recolher obrigatório às 20h00 durante a semana

Covid-19: São Miguel com recolher obrigatório às 20h00 durante a semana

A ilha, a mais afetada nos Açores pela pandemia, passará a partir de sexta-feira a ter recolhimento obrigatório às 20h00 durante a semana, mantendo-se a medida às 15h00 no fim de semana.

A ilha de São Miguel, a mais afetada nos Açores pela pandemia de covid-19, passará a partir de sexta-feira a ter recolhimento obrigatório às 20h00 durante a semana, mantendo-se a medida às 15h00 no fim de semana..

A medida foi revelada pelo presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, numa conferência de imprensa em Ponta Delgada, e pretende travar o crescimento do número de doentes na ilha.

Desde o dia 08, data em que começaram a ser aplicadas medidas mais restritivas em São Miguel, está em vigor na ilha o recolher obrigatório às 23h00 nos dias úteis (hora que será agora antecipada), além do fecho das escolas e de alterações nos horários do comércio. No fim de semana passado, a proibição de circulação na via pública já teve início às 15h00.

O recolher obrigatório decretado – que inclui várias exceções, como motivos de saúde, deslocações de trabalho e para compra de bens essenciais – termina sempre às 05h00 do dia seguinte.

O novo diploma legislativo, que será publicado na quinta-feira, determina ainda o encerramento de ginásios, piscinas cobertas, casinos e estabelecimentos de jogos em toda a ilha de São Miguel.

Ao mesmo tempo, serão implementadas cercas sanitárias nas freguesias micaelenses de Rabo de Peixe (Ribeira Grande) e Ponta Garça (Vila Franca do Campo).

Com a implementação das cercas, que vigorarão até 22 de janeiro, fica proibida a circulação e permanência na via pública e é determinado o encerramento dos estabelecimentos de ensino, de restauração, bebidas, similares e cafés, assim como é determinado o cancelamento de todos os eventos culturais ou de convívio social alargado.

“A avaliação que fazemos é a de que devemos renovar as medidas deste sistema pioneiro no quadro da prorrogação do estado de emergência para o país, pelo que vamos reforçar as que se justificam e nos lugares onde a transmissão é mais grave”, destacou o presidente do executivo regional.

E prosseguiu: “Como sempre disse, antes ser excessivo na prudência do que negligente na ação. Mesmo nos Açores a nossa realidade epidemiológica é muito específica e diferente de ilha para ilha”.

As novas medidas hoje apresentadas referem-se exclusivamente a São Miguel, a mais populosa ilha da região e a que concentra a grande maioria dos casos de covid-19.

Bolieiro anunciou também uma medida específica de apoio às famílias cujos filhos não vão à escola, com aplicação retroativa, relativa ao início do ano letivo 2020/21, nos períodos de encerramento das respetivas escolas.

“A medida consubstancia-se no pagamento integral da perda comprovada de rendimento de um dos pais que tenha ficado em casa para cuidar dos filhos, abrangendo como beneficiários os agregados cujo rendimento ilíquido não seja superior a 3,5 salários mínimos em vigor na região”, declarou.

Os Açores têm atualmente 879 casos ativos de covid-19, sendo 839 em São Miguel, 33 na Terceira, dois no Faial e cinco nas Flores.

 

LEIA MAIS
António Costa explica confinamento: «Regra é ficar em casa»

Impala Instagram


RELACIONADOS